União Africana pede bloqueio aéreo e naval da Somália

Militantes do Al-Shabab
Image caption Em julho, Al-Shabab assumiu a autoria de dois atentados em Uganda

A União Africana (UA) pediu ao Conselho de Segurança da ONU que apoie um bloqueio aéreo e naval na Somália.

Segundo Ramtane Lamamra, comissário da UA para a paz e a segurança, o bloqueio impediria a pirataria na costa somali e paralisaria o repasse de armas aos grupos insurgentes que combatem o frágil governo do país.

Lamamra também defendeu um aumento de 8 mil para 20 mil no número de soldados estrangeiros na Somália.

O governo somali, que com o respaldo da UA controla apenas alguns quarteirões da capital Mogadíscio, não tem conseguido frear a expansão do grupo insurgente islâmico Al-Shabab, ligado à Al-Qaeda.

“A União Africana teme que a falta de segurança na Somália contamine a região”, disse Lamamra ao Conselho de Segurança da ONU.

Segundo a correspondente da BBC Barbara Plett, Lamamra exortou a ONU a manter bem equipados os soldados estrangeiros em missão no país. Ela diz que menos de 8 mil militares foram enviados à Somália, muitos dos quais são mal pagos e operam com equipamento inadequado.

O presidente do conselho, Ruhakana Rugunda, disse que os pedidos eram “legítimos”, mas que precisavam ser avaliados. Rugunda é o embaixador de Uganda na ONU, um dos países que comandam a missão da UA na Somália.

Segundo Plett, Uganda tem pressionado pelo aumento da força estrangeira no país. No entanto, países como a França e a Grã-Bretanha têm manifestado ressalvas quanto ao financiamento de missões sobre as quais o conselho teria controle limitado.

Em julho, o Al-Shabab assumiu a autoria de dois atentados em Campala, capital de Uganda, em que 74 pessoas morreram.

A Somália carece de um governo efetivo há duas décadas.

Notícias relacionadas