Voto latino será decisivo em Estados como Nevada, dizem especialistas

Votação antecipada em Nevada
Image caption Disputa pelo Senado em Nevada é considerada uma das mais importantes

Os latinos deverão ter papel decisivo nas eleições legislativas americanas em Estados como Nevada, em que 12,4% dos eleitores são de origem hispânica, segundo dados do Center for American Progress.

A disputa pelo Senado em Nevada é considerada uma das mais importantes do país e opõe o líder da maioria democrata, Harry Reid, que busca seu quinto mandato, à candidata republicana Sharron Angle, apoiada pelo movimento conservador Tea Party.

“Nevada é o Estado em que os eleitores latinos têm a maior chance de influenciar o resultado”, disse à BBC Brasil o cientista político Matt Barreto, professor da Universidade de Washington especializado em voto latino.

“O eleitorado latino dobrou no Estado nos últimos oito anos”, afirma Barreto.

Às vésperas da votação, marcada para 2 de novembro, Nevada se transformou em arena na disputa pelo voto dos hispânicos.

Vídeo

Image caption Candidatos ao Senado em Nevada se dividem sobre questão da imigração

Na semana passada, em um comício na cidade de Reno com a presença do vice-presidente, Joe Biden, o candidato democrata fez um apelo para que os eleitores latinos compareçam às urnas e criticou um anúncio veiculado na TV que convocava os hispânicos a não votar.

Reid acusa sua adversária de estar ligada ao anúncio, mas a campanha de Angle nega essa alegação.

O vídeo, publicado por um grupo chamado Latinos for Reform, diz que o presidente Barack Obama e os políticos democratas prometeram uma ampla reforma da imigração, mas não levaram a promessa adiante em dois anos de governo.

“A liderança democrata nos traiu”, diz o anúncio. “Agora que querem nosso voto novamente, vêm com mais promessas.”

Segundo especialistas, o voto latino poder ajudar Reid a se reeleger, já que o candidato tem a simpatia do eleitorado hispânico, especialmente devido a seus esforços pela aprovação do Dream Act.

O projeto – ainda não aprovado – dá residência a imigrantes que chegaram aos Estados Unidos antes de completar 16 anos, moram no país há pelo menos cinco anos, terminaram o ensino médio e pretendem cursar uma faculdade ou cumprir serviço militar.

“Se Harry Reid vencer a disputa pelo Senado será inteiramente devido ao voto latino”, diz Barreto.

Gafe

Image caption Reid conta com a rejeição do eleitorado hispânico à sua adversária

O candidato democrata conta ainda com a rejeição do eleitorado hispânico à sua adversária, que apoia a dura lei contra imigrantes ilegais do Arizona e já divulgou anúncios chamando Reid de “o melhor amigo que um imigrante ilegal já teve”.

Reid também tem se aproveitado de gafes cometidas por Angle em relação a hispânicos. Neste mês, ao falar a um grupo de estudantes latinos, ela disse: “Para mim, alguns de vocês parecem mais asiáticos”.

No comício em Reno, o candidato democrata se referiu a esse episódio: “Para mim, todos vocês parecem cidadãos de Nevada”, disse Reid ao saudar o público de apoiadores.

Apesar de ser considerada uma das mais significativas, a disputa em Nevada não é a única em que o voto latino poderá ser decisivo.

Segundo o Center for American Progress, o voto hispânico vai ser observado com atenção em pelo menos 10 Estados, em disputas para o Senado, a Câmara dos Representantes e governos estaduais.

Muitos candidatos têm investido em propaganda em espanhol para chegar a esses eleitores.

Na Califórnia, os latinos respondem por 21% do eleitorado. No Novo México, são 32,6%. No Texas, 21,7%.

No Arizona, onde a nova lei que torna crime estadual a presença de imigrantes ilegais causou polêmica e protestos neste ano, por supostamente ser discriminatória contra a população hispânica, os latinos representam 14,8% dos eleitores.

Decepção

Image caption Sharron Angle cometeu gafes com hispânicos durante a campanha

Um levantamento da National Association of Latino Elected and Appointed Officials (Naleo, organização que reúne autoridades e funcionários públicos latinos nos Estados Unidos) indica que 65% dos hispânicos registrados para votar apoiam candidatos democratas ao Congresso.

Apesar dessa preferência, porém, muitos latinos estão decepcionados com o governo de Obama e com os democratas de modo geral e podem preferir ficar em casa no dia da votação.

“Eles estão decepcionados com os democratas, por não terem aprovado a reforma da imigração”, diz Barreto.

A reforma das leis de imigração era uma promessa de campanha de Obama, eleito com grande apoio da comunidade hispânica.

Obama recebeu 67% dos votos dos hispânicos – calcula-se que 9,7 milhões de latinos tenham votado na eleição presidencial de 2008.

Dois anos após sua posse, porém, o projeto de reforma da imigração ainda não saiu do papel, e o governo continua sem saber como abordar o problema dos 12 milhões de imigrantes ilegais que vivem no país.

Notícias relacionadas