Estados Unidos

Líder republicano diz que EUA votaram por governo menor

John Boehner durante pronunciamento em Washington

Boehner chamou a reforma do sistema de saúde de 'monstruosidade'

O republicano John Boehner, provável novo presidente da Câmara dos Representes (deputados federais) dos Estados Unidos, afirmou nesta quarta-feira que os americanos votaram nesta terça-feira por um governo menor e que a nova maioria republicana na casa deve tentar um “novo caminho em Washington”.

O Partido Democrata, do presidente Barack Obama, perdeu a maioria na Câmara dos Representantes, mas manteve o controle do Senado nas eleições legislativas.

“Eles (os eleitores) querem que o presidente siga um novo caminho. Nós mudaremos o caminho”, disse Boehner. “Eu acho que (o resultado da eleição) é uma autorização para que Washington reduza o tamanho do governo e para que continuemos nossa luta por um governo menor, com menos gastos e com mais prestação de contas.”

Boehner disse que um dos objetivos do Partido Republicano será acabar com a reforma do sistema de saúde americano - um dos projetos mais importantes do presidente Barack Obama, definido pelo republicano como uma “monstruosidade”.

"O povo americano está preocupado com a tomada do sistema de saúde pelo governo. Acredito que é importante para nós estabelecermos uma base antes de começarmos a rechaçar esta monstruosidade e substituí-la por reformas de bom senso que vão reduzir o custo do seguro saúde nos Estados Unidos", afirmou.

Segundo a Casa Branca, Obama telefonou para Boehner e disse que esperava trabalhar com ele e com os republicanos para "fazer o país avançar".

Clique Clique aqui para ver como deve ficar a composição do congresso após a eleição

Apuração

A apuração ainda não terminou, mas as projeções sugerem que os republicanos obtiveram pelo menos 60 cadeiras na Câmara dos Representantes, mais do que as 54 que conseguiram em uma vitória histórica nas eleições legislativas de 1994.

O resultado também significaria a maior mudança de cadeiras desde que os democratas conseguiram 75 assentos em 1948.

No Senado, os republicanos ganharam pelo menos mais seis cadeiras, mas os democratas mantiveram uma estreita maioria.

Os resultados finais do Senado nos Estados de Washington, Alasca e Colorado ainda não foram divulgados, assim como o resultado da disputa pelo governo da Flórida.

Uma das derrotas mais simbólicas para o presidente americano foi a perda do seu antigo assento no Senado, pelo Estado de Illinois, para o Partido Republicano.

Mas em Nevada, numa das disputas consideradas chave nestas eleições, o líder democrata no Senado, Harry Reid, conseguiu manter sua cadeira na casa ao vencer a republicana Sharron Angle, integrante do movimento conservador Tea Party.

Apesar da derrota de muitos candidatos excêntricos ligados ao Tea Party, as eleições desta terça-feira ajudaram a estabelecer o movimento como uma força importante no panorama político americano.

Descontentamento

Obama fala ao telefone com o republicano John Boehner

Obama telefonou para Boehner para cumprimentá-lo pela vitória

Estavam em jogo nestas eleições todas as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes e 37 das cem vagas do Senado. Os eleitores também escolheram governadores de 37 dos 50 Estados americanos.

A virada no comando do Congresso já era prevista e, segundo analistas, deverá tornar mais difícil para Obama levar adiante muitas de suas propostas até o final de seu mandato.

Especialistas afirmam que o resultado das urnas demonstra o descontentamento dos eleitores americanos com os dois primeiros anos do governo de Obama e, principalmente, com a lenta recuperação da economia do país.

Os Estados Unidos conseguiram sair da recessão, mas o ritmo da recuperação econômica tem sido considerado lento demais para reduzir a taxa de desemprego, que permanece há vários meses em torno de 10%.

Analistas dizem ainda que as grandes conquistas dos primeiros dois anos de Obama na Casa Branca, como as reformas da saúde e do sistema financeiro, exigiram medidas impopulares e resultaram em queda nos índices de aprovação do presidente.

Estados

Em muitos dos Estados, além votar em candidatos ao Congresso e aos governos locais, os eleitores também participaram de referendos a respeito de cerca de 160 medidas.

Em um dos mais polêmicos, eleitores da Califórnia rejeitaram a proposta de legalização da maconha no Estado.

Em Oklahoma, os eleitores aprovaram uma proposta proibindo os juizes de usar a lei islâmica em decisões.

Na disputa pelos governos estaduais, os republicanos conquistaram pelo menos um Estado considerado crucial para as eleições presidenciais de 2012: em Ohio, John Kasich derrotou o governador democrata Ted Strickland.

No entanto, os democratas saíram vitoriosos em outros Estados importantes, como Nova York, onde Andrew Cuomo derrotou o republicano Carl Paladino.

  Democratas Republicanos Independentes
Senado 53 47 0
Câmara de Representantes 189 239 0

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.