Assessor de premiê britânico é questionado em caso de grampos

Andy Coulson
Image caption Coulson foi editor do 'News of the World'

Andy Coulson, diretor de comunicações do premiê britânico David Cameron, foi questionado neste sábado pela polícia a respeito de seu suposto conhecimento sobre um caso de grampos no tabloide News of the World.

O jornal britânico é acusado de ter grampeado até 3 mil telefones de figuras públicas da política, do esporte, do entretenimento e da família real.

Na época dos supostos grampos, Coulson era editor do News of the World. Ele pediu demissão do jornal em 2007, mas negou ter conhecimento de atividades ilegais.

Segundo denúncia feita em 2009 pelo jornal Guardian, os tabloides contratavam detetives particulares que "invadiam" ilegalmente os celulares das celebridades para conseguir acesso a dados pessoais confidenciais, como contas e extratos bancários.

Entre as "vítimas", segundo o Guardian, estariam a atriz Gwyneth Paltrow, a modelo Elle Macpherson, o cantor George Michael, o prefeito de Londres, Boris Johnson, e a apresentadora Nigella Lawson. O jornal diz ainda que a polícia sabia dos grampos, mas na época não alertou as pessoas atingidas.

A primeira suspeita de grampo surgiu em 2005, quando o News of the World publicou uma reportagem sobre uma lesão no joelho do Príncipe William. A família real começou a desconfiar que telefones de seus assessores estivessem sendo interceptados.

Em 2007, um dos jornalistas do News of the World acabou preso por quatro meses por conta do episódio.

Testemunha

Neste sábado, Coulson encontrou-se com a polícia "por iniciativa própria", segundo um porta-voz de Downing Street, e os policiais informaram que ele foi questionado apenas como testemunha.

Ele é um dos assessores mais próximos do premiê Cameron.

Um membro do oposicionista Partido Trabalhista disse que era hora de Cameron “levar esse assunto a sério”.

O comentárista político da BBC Robin Brant relata que alguns integrantes do próprio Partido Conservador, de Cameron, estão incomodados com as suspeitas que recaem sobre Coulson.

Downing Street informou que o premiê mantém sua confiança no assessor.

Notícias relacionadas