ONU pede US$ 164 mi para tratar cólera no Haiti

Homem carrega criança doente em Porto Príncipe
Image caption Epidemia de cólera no país já matou mais de 700 pessoas e infectou 11 mil

A ONU pediu nesta sexta-feira cerca de US$ 164 milhões para combater a epidemia de cólera no Haiti, que já matou mais de 700 pessoas.

Uma porta-voz da organização, Elisabeth Byrs, afirmou que, se o dinheiro não for fornecido pelos doadores internacionais, "todos nossos esforços serão superados pela epidemia".

"Nós precisamos deste dinheiro o mais rápido possível", afirmou a porta-voz, acrescentando que, até o momento, 11.125 pessoas foram infectadas pela doença no país.

Segundo Byrs, o dinheiro será usada para trazer mais médicos para o Haiti, medicamentos e equipamentos para purificar água.

Stefano Zannini, chefe da missão dos Médicos Sem Fronteiras no Haiti, afirmou que os hospitais da capital, Porto Príncipe, estão superlotados e os pacientes poderão ter que ser tratados nas ruas.

"Estamos muito preocupados com a questão do espaço", afirmou.

"Se o número de casos continuar a subir na mesma taxa (que apresenta agora), então teremos que adotar algumas medidas drásticas. Vamos ter que usar espaços públicos e até mesmo as ruas."

"Posso prever, facilmente, a deterioração desta situação, até ao ponto no qual os pacientes vão para as ruas, esperar por tratamento", acrescentou.

Mais casos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta sexta-feira que espera que a epidemia de cólera ainda perdure por mais tempo no Haiti.

"As projeções de 200 mil casos nos próximos seis a 12 meses mostra a amplitude do que se pode esperar", disse o porta-voz da OMS Gregory Hartl.

O porta-voz acrescentou que a taxa de mortalidade, de 6,5%, é muito mais alta do que deveria ser.

"Ninguém vivo no Haiti teve cólera antes, então esta é uma população que está muito suscetível à bactéria", afirma. "Uma vez que entra no sistema (de abastecimento) de água, é transmitida facilmente."

Cólera causa febre, diarreia e vômitos, levando à desidratação severa, e pode matar em 24 horas se não for tratada. Mas pode ser controlada facilmente por meio da reidratação e de antibióticos.

A doença é causada por uma bactéria transmitida por água ou alimentos contaminados.

As agências de ajuda estão tentando evitar mais contágio pela doença em Porto Príncipe, em meio ao temor de que a doença se espalhe pelos acampamentos onde vivem 1,1 milhão de sobreviventes do terremoto de janeiro.

A epidemia começou no vale do rio Artibonite no meio do mês de outubro. Inicialmente parecia ter sido contida, mas a passagem do furacão Tomas, no início de novembro, causou inundações que teriam contaminado com a bactéria comunidades de refugiados que já passavam por dificuldades.

Notícias relacionadas