Brasil também lidera parcerias sexuais

Ivan Lessa em ilustração de Baptistão

Não é só em criação de riquezas e novas classes sociais que o Brasil ocupa lugar de primazia na América Latina. A Tendencias Digitales, importante empresa especializada no mercado digital latino-americano, que investiga online seus mercados e audiências, sob encomenda do Grupo Diários America (GDA), revelou há pouco que, numa pesquisa sobre a sexualidade dos latino-americanos, realizada em 11 países da região (inclusive Costa Rica e Puerto Rico), os brasileiros em particular, e talvez até em público, são o povo mais ligado ao sexo em suas diversas modalidades.

13,349 pessoas, via internet, foram pesquisadas e alguns resultados só surpreenderam os muito ingênuos. O Brasil é o país em que homens e mulheres têm o maior número de parceiros sexuais ao longo da vida. Uma média de 12 contra 10 do resto da América Latina em geral (inclusive Venezuela e Colômbia).

O nosso fogoso país também registra o maior percentual de pessoas da região que associa sexo ao prazer. Constava, entre mentes mais ligadas a assuntos desportivos, que argentinos e uruguaios associavam sexo à prática do futebol e que Maradona era seu Deus e não Cupido.

Um dado importante: ao que parece mulheres e homens associam sexo ao amor e não ao balípodo ou soccer ou mesmo cachaçada no sábado à noite.

Alexandre Sadeeh, especialista em sexualidade do Hospital das Clínicas da USP, afirma que a posição (sem especificar qual) dos latino-americanos, e dos brasileiros em geral, é “uma coisa cultural nossa mesmo”, essa liberalidade maior em relação ao sexo, apesar da influência católica.

O sexólogo, a seguir, declarou que “o brasileiro se permite assumir que tem mais parceiros e faz isso com mais naturalidade do que em outros países. A sexualidade está presente no nosso dia a dia, nas mulheres de biquíni, nos olhares dos homens. As danças, as roupas, as propagandas sempre têm um teor erótico embutido”. Falou quem sabe do que fala.

Outros dados registrados pela pesquisa em questão:

* O Brasil registra o maior número de homossexuais ou bissexuais.

* No Brasil é menos complexo se admitir homossexual do que em outros países da América Latina (México e, novamente, Venezuela inclusive. A Bolívia, por motivo ainda não esclarecido, não participou da pesquisa).

* Os brasileiros são campeões ainda de infidelidade e disfunção sexual.

* As brasileiras são as latino-americanas que mais uso fazem do vibrador.

* A posição preferida pelos 11 povos da região, segundo a pesquisa, é aquela em que o casal fica de joelhos e o homem penetra a mulher por detrás. No Brasil, esta é a posição ideal para 29,1% da população. Em segundo lugar na preferência nacional, com 22,7% vem o tradicional papai-mamãe.

Na terça-feira, dia 9 de outubro, o atual chanceler britânico, William Hague, em discurso pronunciado em Londres, defendeu a entrada do Brasil no Conselho de Segurança (CS) da ONU, dando assim, segundo ele, um fim ao que chamou de “negligência” nas relações entre a Grã-Bretanha e os países latino-americanos.

Há alguma controvérsia se existirá alguma relação entre a pesquisa do Instituto Tendencias Digitales e a fala auspiciosa do ministro do Exterior britânico para a América Latina, principalmente para nós brasileiros.