Imigração

Após crise, 'pequeno Brasil' na Irlanda tem 50% menos brasileiros

galeria de fotos: A CRISE E OS BRASILEIROS

  • Claudio Costa de Oliveira (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    O agravamento da crise na Irlanda está interrompendo os planos dos brasileiros que escolheram o país como destino de imigração. Esse é o caso de Claudio Costa de Oliveira, que resolveu voltar após fechar sua oficina mecânica em Gort, por falta de clientes.
  • Samuel Araújo com sua máscara de Bono (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    Samuel Araújo deixou Fortaleza há 3 anos atrás de uma namorada irlandesa em Galway, no oeste do país. Nos últimos 4 anos, trabalhou imitando Bono, o vocalista do U2, na promoção da Irlanda em uma competição náutica. Com a perda do emprego, ele considera voltar ao Brasil.
  • Ediramara Martins com o filho, que precisa de cuidados especiais (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    Apesar da falta de clientes para seu trabalho com limpeza, a goiana Ediramara Martins, há quase dois anos em Gort, decidiu ficar enquanto puder por causa do filho, que necessita de cuidados especiais, recebidos no sistema público irlandês.
  • Gislene Mourão Nunes na última loja de produtos brasileiros de Gort  (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    Há 3 anos na Irlanda, Gislene Mourão Nunes trabalha na única loja de comida brasileira que sobrou em Gort. Apesar da queda nas vendas e dos sinais da crise, ela pretende ficar no país, por não querer trocar ‘o certo pelo duvidoso’.
  • Galpão abandonado onde funcionava frigorífico em Gort (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    Gort chegou a abrigar uma comunidade de 2 mil brasileiros, em sua maioria atraídos por empregos em um frigorífico local. O frigorífico fechou, e tudo o que resta é um prédio abandonado e algumas placas escritas em português.
  • Rua de Gort (Fotos: Daniela Gross / BBC Brasil)
    Gort já foi conhecida como a ‘pequena Brasil’ da Irlanda, mas mais de 50% dos brasileiros já deixaram a cidade. A única loja de produtos brasileiros que ainda mantém as portas abertas registrou uma queda de pelo menos 40% nas vendas.

O agravamento da crise econômica na Irlanda está interrompendo os planos de brasileiros que escolheram o chamado "Tigre Celta" como destino de imigração.

A crise, que começou a atingir o país em 2008, vem afetando principalmente os imigrantes ilegais, segundo Parkieson de Castro, da Embaixada brasileira em Dublin.

"Quem está em situação ilegal, que veio procurando emprego mas não encontra, está fazendo o caminho de volta. Já as pessoas estabelecidas aqui, com esposas ou maridos irlandeses, tendem a ficar, a não ser que surja uma boa oportunidade no Brasil", diz.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil estima que há aproximadamente 20 mil brasileiros vivendo na Irlanda.

A embaixada não tem estatísticas oficiais do numero de brasileiros retornando para casa.

Mas as estimativas apontam que em Gort, a cidade que um dia ficou conhecida como o "pequeno Brasil" na Irlanda, mais de 50% população de brasileiros já retornaram para o país natal desde o início da crise.

No auge do boom irlandês, quase metade da população de Gort era formada por brasileiros. Agora, de acordo com o sociólogo Frank Murray, as ruas e casas vazias são sinais claros do êxodo brasileiro.

Se antes a população brasileira em Gort chegava a quase 2 mil, as estimativas são de que agora esse número caiu pela metade.

A estatística só não caiu mais porque Gort ainda continua a receber brasileiros que antes viviam em outras regiões da Irlanda onde a política para imigrantes está ficando mais restrita.

"A dificuldade é que muitos brasileiros não têm documentos e, diferentemente dos irlandeses, não têm direito a benefícios sociais e assistência financeira se ficarem desempregados", diz Murray.

Frigorífico abandonado em Gort

Frigorífico que atraiu brasileiros hoje é um galpão abandonado

"Os brasileiros estão entendendo que as coisas não vão melhorar aqui, e é o mesmo para todos os imigrantes. Muitos poloneses também foram embora. A ficha esta caindo e eles estão percebendo que têm de voltar, porque aqui não existem mais condições."

Abandono

Um frigorífico que empregava muitos brasileiros no passado é agora apenas um prédio abandonado. No muro da construção, ainda restam as placas escritas em inglês e português.

A única loja de produtos alimentícios brasileiros que ainda mantém as portas abertas vende hoje 40% a menos do que já chegou a negociar.

Gislene é uma das poucas funcionarias que ainda trabalha na loja. Na Irlanda há três anos, ela lembra que nos bons tempos o estabelecimento chegou a ter quatro funcionários, além da dona. Hoje, só sobraram duas empregadas.

Mesmo com os sinais da crise e o declínio no volume de trabalho, Gislene mantém uma atitude otimista em relacão à Irlanda e diz que pretende ficar no país enquanto tiver trabalho. "Para que a gente vai largar o certo pelo duvidoso?", questiona Gislene.

Ela acredita que muitos dos brasileiros que estão indo embora já atingiram os seus objetivos. Ela acha que os que não conseguiram fazer o pé-de-meia e estão retornando ao Brasil com a esperança de uma situação melhor podem se decepcionar.

"Já ouvi falar que o Brasil está bom, que o Brasil melhorou, que está bom de emprego. Mas muitas pessoas estão esquecendo que o Brasil é bom para quem tem escolaridade, porque hoje em dia até para trabalhar de auxiliar de limpeza você precisa de estudo", diz.

"A maioria das pessoas que estão aqui não tem um alto nível de escolaridade, então eu acho melhor ficar e desenvolver o inglês para, quando for embora, ir com uma garantia de um objetivo melhor no Brasil."

Placa em porta de fábrica escrita em inglês e português

Placa bilíngue mostra como o português se tornou comum na Irlanda

Crise

A Irlanda é um dos países mais afetados pela crise econômica na Europa. Após um período de elevado ritmo de crescimento econômico, o país foi do boom ao desastre financeiro em um espaço de apenas três anos.

Desde 2008, o preço dos imóveis caiu entre 50% e 60% e os recursos para ajudar o sistema bancário são estimados em 45 bilhões de euros (mais de R$ 100 bilhões).

A União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estão negociando um pacote de ajuda que pode chegar a US$ 110 bilhões, mas o governo tem relutado em aceitar o dinheiro.

Entretanto, o ministro irlandês das Finanças, Brian Lenihan, admitiu que o país vai precisar de ajuda externa para resolver sua grave crise fiscal e a alta dívida dos bancos.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.