Ministros europeus finalizam detalhes de plano de ajuda à Irlanda

Ministro das Finanças da Irlanda, Brian Lenihan, chegou atrasado em Bruxelas
Image caption Ministro das Finanças da Irlanda, Brian Lenihan, chegou atrasado em Bruxelas

Ministros das Finanças de países europeus estão reunidos neste domingo em Bruxelas, na Bélgica, para finalizar detalhes do plano de ajuda no valor de mais de 85 bilhões de euros para a Irlanda.

Além dos ministros dos países integrantes da zona do euro, também participou o ministro britânico George Osborne. A ministra francesa Christine Lagarde, afirmou que um acordo sobre a ajuda à Irlanda estava "quase pronto".

No entanto, ainda não se sabe qual a taxa de juros que a Irlanda deverá pagar pelo empréstimo.

A reunião entre os 16 ministros dos países da zona do euro mais três de países que ofereceram empréstimos diretos para a Irlanda, Grã-Bretanha, Suécia e Dinamarca, será seguida por uma outra reunião de ministros de todos os 27 países da União Europeia.

O correspondente de economia da BBC Joe Lynam afirmou que pouco menos da metade dos 85 bilhões serão usados para ajudar o sistema bancário irlandês. O resto deverá ser destinado ao governo, para ajudar no pagamento das despesas de rotina.

Otimismo

Na chegada a Bruxelas, vários ministros demonstraram otimismo a respeito do acordo para o pacote de ajuda.

"Vamos discutir os detalhes do pacote todo hoje e acho que vamos progredir muito", disse o ministro britânico George Osborne.

"A assistência à Irlanda está quase pronta. Temos que fazer apenas uns pequenos ajustes, principalmente na área de taxas de juros", afirmou Christine Lagarde.

"Estamos trabalhando para uma solução e esperamos que, até amanhã, os mercados financeiros estejam confiantes novamente de que o euro é uma moeda com um futuro estável", disse o ministro alemão Wolfgang Schaeuble.

O ministro das Finanças da Irlanda, Brian Leninhan, chegou atrasado a Bruxelas devido à uma nevasca em Dublin.

A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) já concordaram com um pacote de ajuda financeira para a Irlanda, mas os ministros querem chegar a um acordo em linhas gerais antes da abertura dos mercados financeiros nesta segunda-feira.

Os ministros afirmaram que as negociações sobre as taxas de juros ainda continuam, apesar de a rádio estatal irlandesa RTE ter divulgado que a taxa que será paga pelo empréstimo poderá chegar a 6,7%, mais alto do que a taxa cobrada pelo pacote de ajuda financeira à Grécia, o que gerou preocupação de partidos de oposição irlandeses.

Protesto

No sábado, dezenas de milhares de pessoas foram às ruas em Dublin para protestar contra o plano de austeridade anunciado nesta semana pelo governo da Irlanda para conter a crise econômica no país e contra o plano de ajuda da União Europeia e do FMI.

Sindicatos afirmam que mais de 100 mil pessoas participaram do protesto, mas a polícia irlandesa estimou que o número ficou em torno de 50 mil manifestantes.

Mcdara Doyle, porta-voz do Congresso Irlandês de Sindicatos, disse à BBC que a manifestação tinha como objetivo enviar uma mensagem clara ao governo.

"Estamos tentando convencer o governo e mostrar ao governo que não há apoio para o plano em meio à sociedade civil e que cada medida que eles tomaram tem sido exatamente o oposto do que eles precisam fazer", afirmou.

A manifestação do sábado é uma resposta dos sindicatos irlandeses a um pacote de austeridade do governo que pretende aplicar medidas severas, entre elas, cortes de milhares de vagas no setor público e a redução do salário mínimo.

O plano do governo irlandês prevê a redução de 1 euro, para 7,65 euros a hora, no salário mínimo e o aumento do imposto sobre o valor agregado (VAT, em inglês), dos atuais 21% para 22% em 2013, com um outro aumento para 24% em 2014.

Entre as medidas anunciadas está o corte nos gastos e a criação de um novo imposto sobre imóveis, além de cortes de milhares de cargos públicos. O plano pretende cortar 24.750 vagas no setor público, poupar 2,8 bilhões de euros em gastos no setor de bem-estar e aumentar o imposto de renda em 1,9 bilhão de euros.

Com o plano, o governo irlandês visa economizar 15 bilhões de euros.

Notícias relacionadas