Embaixador dos EUA chamou Karzai de 'fraco' e 'paranóico'

Image caption Hamid Karzai:

O embaixador dos EUA no Afeganistão chamou o presidente do país, Hamid Karzai, de "paranóico" e "fraco", em comunicado a Washington vazado pelo site Wikileaks.

No documento, Karl Eikenberry diz que Karzai é "incapaz de compreender os princípios mais rudimentares da formação de um Estado".

Os documentos mostram ainda uma profunda preocupação dos EUA com a corrupção no governo do Afeganistão.

Em mensagens datadas de julho de 2009, e publicadas pelo jornal britânico The Guardian, Eikenberry afirma que quatro reuniões recentes com Karzai foram "cordiais", mas manifestou "preocupações sobre o status da relação EUA-Afeganistão".

Ele afirma que ficou "apreensivo" com algumas das opiniões de Karzai, incluindo a crença do presidente afegão de que tanto EUA quanto Irã estavam apoiando seus adversários nas eleições realizadas em setembro de 2009.

Eikenberry says disse ainda que identificava dois lados de Karzai - um que é "um indivíduo paranóico e fraco não familiarizado com os preceitos básicos da construção de uma nação", e "um político astuto que se vê como um herói nacionalista", capaz de evitar que o Afeganistão seja dividido por adversários políticos.

"Para recalibrar a nossa relação com Karzai, precisamos lidar com e desafiar ambas as personalidades", diz ele.

Opiniões semelhantes foram manifestadas em uma mensagem diplomática enviada em fevereiro de 2010, relatando um encontro de Eikenberry com o ministro das Finanças afegão, Omar Zakhilwal.

Zakhilwal descreveu o presidente como "um homem extremamente fraco", propenso a acreditar em relatos de complôs contra ele.

Em mensagem datada de 2008, David Cameron - à época líder da oposição conservadora britânica, hoje premiê -, teria dito que a esfera de influência de Karzai diminuía a cada ano.

Notícias relacionadas