Lula chega à Argentina para sua última viagem internacional

Lula
Image caption Lula se reunirá com Calderón e com o rei da Espanha

Em sua última viagem internacional como presidente, Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta quinta-feira ao balneário Mar Del Plata para participar da 20º Cúpula Ibero-Americana de chefes de Estado e de Governo.

Pela primeira vez, a reunião não deve ter a presença dos presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Bolívia, Evo Morales.

Chávez argumentou que não pode deixar a Venezuela neste momento, já que o país está sendo castigado por enchentes. Já Morales está se recuperando de uma cirurgia no joelho.

A despedida internacional do presidente Lula será marcada para uma agenda intensa, que inclui reuniões com o presidente do México, Felipe Calderón, com o rei Juan Carlos, da Espanha, e provavelmente com o presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva.

Entre os assuntos que serão debatidos no encontro estão educação para inclusão social, o novo pedido da Argentina de apoio à sua reivindicação da soberania das Ilhas Malvinas (Falklands, para os ingleses) e a discussão sobre o nome do novo secretário geral da Unasul. O cargo está vazio desde a morte do ex-presidente argentino Nestor Kirchner.

Diplomatas brasileiros presentes no balneário argentino disseram que dois nomes estão sendo analisados para o posto, o do ministro de Minas e Energia Elétrica da Venezuela, Ali Rodríguez, e o da ex-chanceler colombiana María Emma Mejía

Surgiram especulações na imprensa argentina e uruguaia sobre a possível nomeação do ex-presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez. No entanto, os diplomatas disseram não ter ouvido o nome do ex-presidente nos encontros.

Wikileaks

Apesar da agenda oficial, outro assunto que deverá ser abordado é o vazamento dos telegramas do Departamento de Esta

do americano pelo site Wikileaks. O titular da Secretaria Geral Ibero-americana, o uruguaio Enrique Iglesias, disse que o assunto poderia ser tratado no encontro.

“Mas não acredito que o conteúdo dos telegramas afete a relação entre os países”, afirmou Iglesias. As declarações de diplomatas americanos foram criticadas também por Correa. “A confiança entre os países foi traída. Os telegramas confirmam o que já imaginávamos. A manipulação (dos Estados Unidos) da política da nossa região”.

Na véspera, a secretária de Estado americano, Hillary Clinton, ligou para a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, para falar da importância da relação entre os dois países e que os comunicados não devem afetá-la, segundo a agência oficial argentina Telam.

Cristina Kirchner não fez comentários sobre os dados vazados, que incluíram desde críticas à política externa argentina ao comportamento e saúde mental da presidente.

Ao desembarcar em Mar del Plata, o chanceler Celso Amorim defendeu a posição do Itamaraty de ter reconhecido, nesta sexta-feira, o Estado Palestino com as fronteiras de 1967.

“Na realidade, é uma atualização da posição brasileira, mas que não deixa de ter um valor simbólico para fortalecer um processo pacífico para a questão do Oriente Médio”, disse.

“E achamos que a melhor de contribuir para esse processo, no qual há um estancamento, é o reconhecimento do Estado da Palestina.”

Ele afirmou ainda que a iniciativa não deve alterar a relação do Brasil com Israel. “Temos inclusive um acordo de livre-comércio e intensas relações em áreas como tecnologia avançada. Isso se deve se manter. Pelo menos esse é o nosso desejo.”

Notícias relacionadas