Mídia do Paquistão admite ter publicado falsos telegramas do WikiLeaks

Site WikiLeaks
Image caption Telegramas atribuídos ao vazamento do WikiLeaks criticavam a Índia

Jornais paquistaneses admitiram nesta sexta-feira que eram falsos os telegramas publicados no dia anterior apresentados como vazamentos do site WikiLeaks e que criticavam a vizinha – e adversária – Índia.

Os falsos telegramas eram atribuídos à diplomacia americana e pareciam “confirmar” visões contra a Índia defendidas pela extrema direita paquistanesa.

Alguns telegramas acusavam a Índia de genocídio na Caxemira – região disputada pelos dois países – e ridicularizavam um general indiano.

Outros diziam que espiões indianos estavam apoiando militantes nas áreas tribais do Paquistão e que o Exército indiano era dirigido por “facções” e apoiava “grupos hindus fanáticos”.

História “duvidosa”

O jornal britânico Guardian, que teve acesso direto a todos os telegramas vazados pelo WikiLeaks, disse ter feito uma busca detalhada em sua base de dados, sem encontrar nenhum dos telegramas citados pela imprensa paquistanesa.

O jornal paquistanês The News disse nesta sexta que, após “averiguações mais profundas”, descobriu “que a história era duvidosa e pode ter sido plantada”.

O Express Tribune, jornal paquistanês afiliado ao britânico International Herald Tribune, publicou uma retratação em sua primeira página, dizendo “arrepender-se profundamente de ter publicado a matéria sem mais averiguações e desculpando-se por qualquer inconveniente”.

Já Jang, outro jornal que publicou os telegramas, não mencionou o tema nesta sexta, e o Nation manteve sua crença na história, alegando em um editorial que a “verdadeira face da Índia” havia sido exposta.

Acredita-se que os falsos telegramas tenham sido plantados pela Inteligência paquistanesa e parecem ter sido divulgados inicialmente pela agência paquistanesa Online.

Segundo o correspondente da BBC em Karachi Syed Shoaib Hasan, a Online é conhecida por seus elos com o serviço de Inteligência do país.

Um porta-voz do Alto Comissariado indiano em Islamabad (capital paquistanesa) se disse “horrorizado” pelo fato de dados falsos terem atraído tanta atenção.

Notícias relacionadas