Turquia quer reatar laços com Israel, diz ministro

Navio alvejado em maio
Image caption Morte de turcos em navio resultou no rompimento das relações

O chanceler da Turquia, Ahmet Davutoglu, disse que seu país quer reatar os laços com Israel, abalados quando tropas israelenses mataram oito turcos que participavam de uma flotilha para levar mantimentos a Gaza, em maio.

Davutoglu reiterou que, para a normalização das relações, espera um pedido de desculpas de Israel pelo episódio, que fez com que a Turquia retirasse seu embaixador de solo israelense.

Israel, que insiste em que a ação contra a flotilha era em defesa própria, também afirmou querer reatar com Ancara. Um porta-voz da Chancelaria do país disse à BBC que conversas bilaterais discretas já começaram e que, em sua opinião, as relações diplomáticas devem ser normalizadas em breve.

Os dois países tiveram 15 anos de bom relacionamento, que incluiu diversos pactos militares e comerciais, e conversaram recentemente em Genebra sobre a possibilidade de conciliação.

Mas as conversas emperraram, acredita-se que por causa da recusa de Israel em pedir desculpas pelo ocorrido em maio.

‘Cidadãos mortos’

“Cidadãos turcos foram mortos em águas internacionais, nada pode encobrir essa verdade”, disse Davutoglu. “Queremos tanto preservar as relações quanto defender nossos direitos. Para continuar nossa amizade com Israel, o jeito é com desculpas e uma oferta de compensação (às famílias dos mortos e feridos).”

Ele agregou que as tentativas de retomada das relações – incluindo a ajuda turca para apagar recentes incêndios devastadores em Israel – não tiveram, em sua opinião, reciprocidade do lado israelense.

Já um porta-voz da Chancelaria israelense afirmou que melhorar os laços com Ancara é “um objetivo não alterado”.

Ele disse que o fato de Israel ter mandado anteriormente ajuda humanitária à Turquia “fala de maneira muito mais verdadeira e amigável do que esse discurso do chanceler turco”.

Retorno

O barco alvejado em maio, Mavi Marmara, retornou neste domingo a Istambul e foi recebido por uma multidão.

Os tripulantes do Mavi Marmara tentavam furar o bloqueio de Israel alegando que queriam levar mantimentos para Gaza. A resposta israelense causou nove mortes - oito turcos e um americano-turco.

O parlamentar turco Suat Kiniklioglu, do partido governista, disse neste domingo ao programa NewsHour, da BBC, que o episódio causou revolta no povo turco, mas que a retomada das relações bilaterais com Israel já é algo aceitável.

Ele diz que a ajuda turca contra os incêndios em Israel “foi vista dos dois lados como uma oportunidade” para a normalização dos laços.

Notícias relacionadas