Na Argentina, Patriota critica 'censura' a livros de Paulo Coelho no Irã

Patriota se encontrou com Cristina Kirchner durante visita a Buenos Aires (Foto: AFP)
Image caption Visita à Argentina foi a primeira de Patriota como ministro

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, criticou nesta terça-feira o que classificou como “censura” aos livros do escritor Paulo Coelho no Irã e disse que entrou em contato com a embaixada do Brasil em Teerã para “apurar exatamente a medida tomada”.

O suposto banimento às obras de Coelho no país persa foi anunciado pelo próprio escritor, em seu blog, na última segunda-feira. Segundo o editor de Coelho, o veto ocorreu sem justificativa.

“Faço minhas as palavras da ministra da Cultura, Ana de Hollanda, que (se disse) contra a censura e a favor da liberdade de expressão, como também foi mencionado pela presidente Dilma (Rousseff) em seu discurso de posse. E voltaremos ao assunto quando tivermos mais elementos”, afirmou Patriota.

Leia também na BBC Brasil: Livros de Paulo Coelho são banidos no Irã

As declarações do chanceler foram feitas durante entrevista a jornalistas brasileiros, na embaixada do Brasil em Buenos Aires, no encerramento de sua primeira viagem ao exterior como ministro de Relações Exteriores do governo Dilma.

Questionado sobre a acusação de emissão de passaportes diplomáticos para os filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Patriota disse que o Itamaraty está “examinando a situação como um todo".

Segundo ele, trata-se de uma "medida tomada pela administração anterior”.

“Não tenho nada a acrescentar, por enquanto”, disse.

WikiLeaks

O ministro brasileiro reconheceu que foi feito acordo, no governo anterior, entre Brasil e Estados Unidos para “disseminar” o etanol e que este acordo excluía os países da América do Sul. Segundo ele, o entendimento foi feito em 2006 e não teria envolvido a então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

O acordo entre Brasil e Estados Unidos, firmado em 2007 para promover o etanol, foi revelado por documento vazado pelo site WikiLeaks. O documento dizia que o Itamaraty vetara a inclusão de Bolívia e Colômbia no projeto de cooperação.

“De fato, houve entendimento entre Brasil e Estados Unidos de que na América do Sul (e não só Bolívia e Colômbia) não trabalharíamos (promovendo o etanol), porque na América do Sul temos outros mecanismos de integração. E relacionamento já feito com todos os países vizinhos dispensa essa cooperação”, disse.

Patriota disse que, na ocasião, o entendimento era de promover o etanol em economias pequenas, como El Salvador, Guatemala, Jamaica, República Dominicana, Haiti, Senegal e Guiné-Bissau.

O chanceler afirmou que a produção de etanol e biocombustíveis será abordada por Dilma em sua visita a Buenos Aires, no dia 31 de janeiro, sua primeira viagem internacional após assumir a cadeira presidencial.

"Há interesse da Argentina e do Brasil, grandes produtores de etanol e de biodiesel, de intensificar essa cooperação”, afirmou Patriota.

Viagens de Dilma

Segundo o chanceler, a previsão é de que a presidente se reúna com a colega argentina, Cristina Kirchner, com vários ministros e com ONGs do país vizinho.

A agenda incluiria reunião da presidente brasileira com a entidade Mães da Praça de Maio, que reúne as mães de desaparecidos políticos durante a ditadura argentina (1976-1983).

A agenda de viagens internacionais de Dilma Rousseff inclui, como confirmou Patriota, viagem no mesmo dia 31 à capital uruguaia, Montevidéu, onde jantará com o presidente uruguaio, José Mujica.

A previsão é de que Dilma retorne a Brasília no mesmo dia, para acompanhar a abertura do ano legislativo, no dia seguinte. Em 16 de fevereiro, ela estará em Lima, Peru, para a reunião entre países árabes e da América do Sul.

Está sendo avaliada a possibilidade de a presidente visitar o Paraguai no dia 26 de março, para as comemorações dos 20 anos do Mercosul.

A presidente já confirmou presença na China, em 13 de abril, para uma reunião bilateral e para participar do encontro do grupo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). Ainda não foi definida a data da viagem para os Estados Unidos que, segundo Patriota, ocorrerá depois da viagem a Pequim.

Notícias relacionadas