Mortes em deslizamentos no RJ são mais de 200, diz Defesa Civil

Deslizamento em bairro de Teresópolis
Image caption Teresópolis já contabiliza mais de 80 mortos devido às chuvas

O número de mortes em deslizamentos provocados pela chuva na região Serrana do Rio de Janeiro ultrapassou 200, segundo um boletim divulgado na noite desta quarta-feira pela secretaria da Saúde e pela Defesa Civil do Estado.

A cidade mais atingida, Nova Friburgo, registrou 107 mortes, entre as quais as de três bombeiros. Outros 82 óbitos foram contados em Teresópolis.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, disse à BBC Brasil que as chuvas tinham causado uma “tragédia” na região.

Segundo Minc, há cerca de mil desabrigados em Teresópolis. Em nota divulgada pelo governo do Rio, o secretário diz que 2 mil famílias deverão ser removidas de suas residências.

“A falta de comunicação é outro problema. Em Teresópolis, internet e telefones fixos não funcionam, assim como diversas operadoras de celular. Além disso, praticamente todo o município está sem energia elétrica”, afirmou Minc.

Segundo o secretário, programas habitacionais dos governos federal e estadual oferecerão cerca de 1.400 casas para os desabrigados.

As outras cidades no Rio que registraram mortes em decorrência das chuvas foram Petrópolis, com 13 vítimas, e Itaipava, com 7.

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pediu nesta quarta-feira ajuda à Marinha para levar mais bombeiros e equipamentos às regiões afetadas pelas chuvas.

São Paulo

Em São Paulo, as inundações e os deslizamentos deixaram pelo menos 13 mortos nos últimos dois dias.

Os óbitos ocorreram na capital, em Mauá, em Embu e em São José dos Campos.

Municípios paulistas como Guarulhos, Guararema, Franco da Rocha e Osasco também sofreram alagamentos, mas os balanços mais recentes da Defesa Civil estadual dizem que não houve até o momento vítimas fatais.

Também nesta quarta, segundo a Agência Brasil, o governo federal anunciou que liberará R$ 700 milhões para os Estados mais atingidos pelas fortes chuvas dos últimos dias.

O Ministério do Planejamento disse ter recebido do Ministério da Integração Nacional um pedido de crédito extraordinário para o Orçamento deste ano.

Os principais Estados beneficiados devem ser o Rio de Janeiro e São Paulo.

O Palácio do Planalto informou que a presidente Dilma Rousseff ligou para Cabral e para o governador paulista, Geraldo Alckmin, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para “colocar à disposição as estruturas do Ministério do Interior, da Defesa Civil federal e do Ministério da Saúde no atendimento às vítimas”.

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, deveria viajar ainda nesta quarta ao Rio para sobrevoar as cidades mais afetadas pelas chuvas, especialmente Teresópolis e Nova Friburgo.

Notícias relacionadas