Em Teresópolis, clima entre os habitantes é de desolação

Teresópolis
Image caption Em algumas partes de Teresópolis, lama chegou a 3 metros de altura

O cenário é de destruição e desolação na cidade de Teresópolis, região serrana do Rio, uma das mais afetadas pelas chuvas que caem na região desde a última terça–feira.

Boa parte das ruas da cidade está coberta de lama e árvores que caíram das encostas de morros ou que foram carregadas pelos rios.

Nos bairros da Posse e Campo Grande – dois dos mais afetados pela tragédia – a lama chega a uma altura de até 3 metros, praticamente encobrindo boa parte das residências.

Apenas em Campo Grande foram retirados 12 corpos, de acordo com a Defesa Civil. Em toda a cidade, mais de 170 pessoas morreram na tragédia. O número de mortos total na região serrana passa de 400.

Na Estrada da Posse, que corta os dois bairros, dezenas de pedras gigantescas, árvores e muita lama bloqueiam a passagem. No trajeto, há vários carros destruídos - muitos foram virados de cabeça pra baixo pela enxurrada.

Lama espessa

O trajeto relativamente tranquilo entre a entrada da cidade e o centro escondia o caos que dominava não apenas os bairros da Posse e Campo Grande, mas também outras áreas de Teresópolis.

Por toda parte, membros da Defesa Civil, do Exército e polícia trabalham nas operações de resgate.

Um dos rios que corta a localidade trouxe uma lama espessa dos morros e transbordou.

Diante da delegacia e do IML, no Centro, a movimentação de pessoas e ambulâncias era grande. É para lá que estão sendo levados os corpos das vítimas e onde ocorre a identificação dos mortos.

No caminho para os bairros mais afastados, uma escola foi totalmente coberta de lama. Muitas casas de maneira foram reduzidas a destroços e até as de alvenaria ficaram destruídas. O primeiro andar de um sobrado foi totalmente tomado pela lama.

A caminho dos bairros afetados, multidões sobem e descem o morro carregando pertences que sobreviveram à catástrofe. Muitos usam picapes para vencer a lama.

Desgraça

O clima entre os moradores era de preocupação e apreensão com o futuro da cidade. Todos são unânimes em dizer que jamais viram uma desgraça tão grande.

No bairro do Imbuí, entre o centro e Campo Grande, integrantes da Defesa Civil e do Exército tentavam resgatar uma idosa que ficou soterrada em sua casa, na Rua Dr. Oliveira.

A via foi fechada e os socorristas usavam uma escavadeira para demolir o muro da casa da idosa. Ainda não se sabia se a ela havia sobrevivido. Outras três pessoas que estavam na casa no dia deslizamento escaparam com vida.

O marceneiro Nivaldo Peres de Araújo, de 56 anos, trabalha ao lado da casa onde ocorria o resgate e diz não temer mais deslizamentos no local.

Araújo disse que não pensa em se mudar, por não ter alternativa: “Como eu vou sair daqui? Não tenho nem para onde levar meus equipamentos.”

Outro bairro bastante atingido pelas chuvas foi o da Cascata do Embuí, onde o Rio Ipaqueuqué transbordou e encheu de lama e destroços o Teresópolis Golf Club.

Também houve destruição e prejuízos nos bairros de Pessegueiro, Três Córregos e Bom Sucesso.

Notícias relacionadas