Geithner sugere ao Brasil cautela com fluxo de capitais e inflação

Geithner com Dilma Rousseff Direito de imagem AFP
Image caption Em Brasília, Geithner se reuniu com Dilma, Tombini e Mantega

O secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, sugeriu nesta segunda-feira, em visita a São Paulo, que o Brasil deve ser cuidadoso ao lidar com o recente aumento no fluxo de capitais com destino ao país e com a consequente valorização do real.

Na opinião de Geithner, o Brasil vive um momento de entrada desproporcional de capitais, estimulado pela confiança global no dinamismo da economia do país - o que é positivo, na avaliação dele - mas também por taxas de juros mais elevadas do que deveriam.

"Administrar fuxos de capitais nestas circunstâncias não é uma tarefa fácil", afirmou. "O fato é que é muito difícil usar apenas ferramentas de política monetária para reduzir a inflação sem colocar mais pressão na taxa de câmbio."

Em entrevista coletiva durante evento na Fundação Getúlio Vargas, Geithner acrescentou que esse "fardo" colabora para a valorização excessiva do real frente ao dólar.

"Países que enfrentam um fardo incomum de ajuste e taxas cambiais flexíveis sobrevalorizadas podem ter de adotar medidas macroprudenciais cuidadosamente planejadas, como um complemento para reformas fiscais", apontou o secretário de Tesouro americano, em um comunicado distribuído pouco antes da coletiva.

Ação conjunta

Durante a passagem por São Paulo, Timothy Geithner também defendeu uma ação conjunta global para lidar com as disparidades cambiais globais, em um momento em que os Estados Unidos pressionam a China para valorizar sua moeda, o yuan, artificialmente desvalorizada para garantir a competitividade global do país asiático.

De acordo com o chefe do Tesouro americano, "não se pode fazer política econômica isoladamente".

"O Brasil e outros mercados emergentes não podem lidar com esses desafios apenas com suas próprias políticas econômicas. Precisam - assim como nós - do apoio das escolhas políticas das outras grandes economias", observou Geithner.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Para Geithner, juros altos influenciam entrada de capitais no Brasil

"À medida que países com grandes superávits (caso da China) agirem para fortalecer a demanda interna em suas economias, para abrir seus mercados de capital e para permitir que suas moedas sejam reflexo de suas economias, veremos mais equilíbrio no fluxo de capital, menos pressão para valorizar a moeda brasileira e um crescimento mais robusto das exportações do Brasil."

Segundo Geithner, a China "já reconhece que é muito grande para crescer neste modelo" baseado em exportações e trabalha para criar um mercado interno consumidor.

Ele afirmou ainda que não vê riscos nos freios impostos pelos países emergentes a suas economias, porque a medida "provavelmente será melhor para o crescimento em longo prazo".

O secretário chegou ao Brasil como parte dos preparativos para a visita do presidente americano, Barack Obama, ao país, em março.

Geithner esteve em São Paulo, onde tomou café da manhã com empresários e economistas e, em seguida, respondeu perguntas de estudantes em um debate mediado por Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, na Fundação Getúlio Vargas.

Depois, partiu rumo a Brasília, onde se reuniu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Em comunicado, o BC apenas informou que Geithner e Tombini "conversaram sobre as perspectivas das economias norte-americana, brasileira e mundial, e sobre a agenda financeira internacional, incluindo os desafios atuais para solidificar o crescimento econômico e a estabilidade financeira por meio de esforços conjuntos de todos os membros do G20".

Às 17h (horário de Brasília), se encontrou com a presidente Dilma Rousseff, em reunião fechada à imprensa. Geithner deve voltar aos Estados Unidos ainda nesta segunda-feira.

Conversas

Em São Paulo, Geithner foi questionado pela imprensa sobre o anúncio de um estímulo de US$ 600 bilhões à economia americana no final do ano passado, o que teria contribuído para a valorização de moedas em mercados emergentes, inclusive o real.

O secretário respondeu que não comenta as políticas monetárias estabelecidas pelo Fed (Federal Reserve), o Banco Central americano, mas disse que as medidas que levam ao crescimento dos Estados Unidos são uma "estratégia que também é boa para o mundo".

Outro tema na pauta bilateral é uma proposta francesa de regulamentação dos preços globais no mercado de commodities, que pode afetar o desempenho de produtos exportados pelo Brasil.

O secretário do Tesouro americano disse aos jornalistas em São Paulo que ainda não está clara qual é a proposta da França, mas acrescentou que a preocupação dos Estados Unidos "será proteger o mercado contra manipulações (de preços)".

Geithner disse ainda que se esforçará para construir uma "agenda cooperativa entre Brasil e Estados Unidos".

"Temos interesses em comum de que o crescimento seja equilibrado no mundo", declarou o secretário. Para ele, a grande diferença entre déficits e superávits dos países tem que ser combatida para não colocar em risco "o crescimento futuro global".