Oriente médio

Forças pró-Khadafi retomam cidade a oeste de Trípoli, diz TV estatal

Getty Images

Rebeldes realizam ataque perto da cidade líbia de Ras Lanuf

A rede de televisão estatal da Líbia afirmou nesta quarta-feira que a cidade de Zawiya, a oeste da capital, Trípoli, foi retomada pelas forças leais ao líder do país, coronel Muamar Khadafi.

Um soldado fiel ao regime afirmou na TV estatal que a cidade está "95% segura". Segundo o repórter da BBC na cidade de Benghazi, Jon Leyne, é impossível confirmar a informação, já que a imprensa estrangeira não recebeu autorização para ir a Zawiya.

Tropas leais ao líder líbio estariam visando alvos no subúrbio da cidade e tentando retomar o controle da praça principal. De acordo com Leyne, testemunhas afirmam que Khadafi enviou cerca de 50 tanques para a cidade.

Zawiya, que foi tomada por forças opostas ao regime há duas semanas, vem sofrendo também pesados bombardeios aéreos, que já teriam deixado vários mortos.

Ras Lanuf

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Já na batalha pela cidade petrolífera de Ras Lanuf, a leste de Trípoli, uma grande explosão atingiu um terminal de petróleo. Ainda não há confirmação das causas, mas cada um dos lados no conflito culpa o outro pelo ocorrido.

Um correspondente da BBC em Ras Lanuf afirma que os conflitos deixaram pelo menos dois mortos e 17 feridos, mas que o número deve subir.

O repórter diz que existe confusão entre os rebeldes e que muitas ambulâncias rumaram para o terminal de petróleo que explodiu.

As forças de oposição a Khadafi conseguiram escapar das tropas do Exército e fugir de Ras Lanuf. De acordo com Leyne, os opositores avançaram alguns quilômetros para o oeste até serem repelidos com força pelas forças do governo.

Clique Leia mais na BBC Brasil: Khadafi ameaça com revolta armada contra zona de exclusão aérea

Tortura

O representante especial da ONU para tortura, Juan Mendez, afirmou nesta quarta-feira que a entidade irá investigar o regime de Khadafi por supostamente torturar opositores.

Mendez disse na sede da ONU em Genebra, na Suíça, que o uso de tortura pelo regime líbio é "muito bem documentado".

Na semana passada, o Tribunal Penal Internacional, órgão que não é ligado à ONU, anunciou que iria investigar o regime de Khadafi por supostos crimes contra a humanidade cometidos durante o conflito no país.

Clique Leia mais sobre o anúncio do Tribunal

Na terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU chegou a discutir nessa terça-feira a adoção de um plano de exclusão aérea para frear a violência na Líbia, mas nenhuma decisão foi tomada, segundo informou uma alta autoridade das Nações Unidas.

O subsecretário-geral da ONU para assuntos políticos, Lynn Pascoe, esteve recentemente na Líbia e se reuniu com o Conselho para falar sobre a situação. De acordo com Pascoe, a exclusão aérea foi uma das opções cogitadas pelo órgão.

A restrição a voos sobre a Líbia, pedida por vários líderes opositores na Líbia, vem sendo discutida por países ocidentais, para impedir ataques aéreos de forças leais ao governo contra rebeldes.

Os Estados Unidos se opuseram à medida, e afirmam que qualquer decisão a respeito deve ser tomada pela ONU.

Com o conflito, a Líbia está perdendo suas reservas de petróleo, podendo ficar sem combustível para consumo doméstico em uma semana.

A informação foi dada pelo representante de uma organização internacional à agência Gulf News.

Um representante do governo interino dos rebeldes na cidade de Benghazi, dominada pela oposição, disse à mesma agência que um plano já está sendo elaborado para resolver o problema, mas não entrou em detalhes sobre a estratégia.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.