Equipe da BBC é detida e torturada por forças de Khadafi

Foto: BBC
Image caption Killani (dir.) e Koraltan disseram que achavam que seriam executados

Forças de segurança leais ao líder líbio Muamar Khadafi prenderam e torturaram três integrantes de uma equipe da BBC, quando eles tentavam entrar em Zawiya, no oeste do país, para cobrir os confrontos na cidade.

Eles foram encapuzados, algemados e agredidos por membros do Exército líbio e da polícia secreta. Também foram ameaçados de morte e submetidos a tortura e simulações de execução.

O repórter de origem palestina Feras Killani, o cinegrafista turco Goktay Koraltan e o segurança britânico Chris Cobb-Smith foram presos na segunda-feira e, após 21 horas detidos, foram soltos e já deixaram a Líbia.

Eles contaram que durante todo o tempo em que estiveram presos ouviam os gritos de outros prisioneiros sendo torturados ou agonizando.

Segurança

A BBC emitiu uma declaração em que condena o "tratamento abusivo" de seus jornalistas.

"A segurança de nossos funcionários é nossa primeira preocupação, especialmente quando eles estão trabalhando em circunstâncias tão difíceis, e e é essencial que jornalistas trabalhando para a BBC, ou qualquer organização de mídida, possam cobrir a situação na Líbia sem medo de ser atacados", diz a declaração assinada por Liliane Landor, diretora dos serviços de língua estrangeira da BBC.

"Apesar destes ataques, a BBC vai continuar a cobrir a situação na Líbia para nosso público dentro e fora do país."

Localizada a 50 quilômetros de Trípoli, Zawiya vem sendo palco de violentos confrontos entre forças pró-Khadafi e redeldes. Como muitos outros jornalistas, os integrantes da equipe da BBC Árabe tentavam entrar na cidade.

Leia mais na BBC Brasil: Governo retoma cidade a oeste de Trípoli, diz TV estatal líbia

Quando foram detidos em um bloqueio na estrada, eles mostraram seus documentos. A equipe e o motorista de táxi local que estava com eles foram levados a um centro militar, onde foram interrogados e ameaçados.

Torturas

Feras Killani, repórter de origem palestina, parece ter sido escolhido para espancamentos frequentes. Seus captores disseram a ele que não gostaram de suas reportagens sobre o levante popular na Líbia no canal de TV da BBC Árabe e o acusaram de ser um espião trabalhando para o serviço secreto britânico.

"Queriam saber por que eu estava carregando dólares e libras”, disse o jornalista, que levou socos, chutes e coronhadas.

“Logo que cheguei nesse centro de detenção, um homem me agrediu nas costas, usando sua Kalashnikov. Eu caí e ele me disse para colocar as mãos atrás da cabeça. E então, disparou a metralhadora. Achei que em poucos minutos eles iam me matar”, disse o jornalista.

“Eu só fechei os olhos e pedi a meu Deus que me ajudasse.”

Chris Cobb-Smith tinha conseguido esconder um telefone celular e ligou para a equipe da BBC no Hotel Rixos pedindo ajuda.

Image caption Os integrantes da equipe da BBC já deixaram a Líbia

O terceiro membro da equipe, o cinegrafista Goktay Koraltan, disse que tinha certeza de que seria morto.

“Simplesmente não consigo descrever o quanto foi horrível. A maior parte dos prisioneiros estava encapuzada e algemada. Eles tinham as mãos inchadas, costelas quebradas e gritavam, agonizando. Foi a pior coisa que já vi na minha vida e eu já vi muitas coisas horríveis”, disse Koraltan.

“Um homem me algemou e me encapuzou. Eu ouvia muitos tiros. Achava que eles estavam se preparando para nos matar, achava que seria executado a qualquer momento.”

Noite aterrorizante

Durante a noite, Cobb-Smith e Koraltan ficaram sem acesso a água, comida ou banheiros. Killani passou a noite em uma cela com outros 10 a 12 homens de Zawiya, vários tinham máscaras cobrindo o rosto, e pés e mãos algemados.

"Quatro deles estavam num estado terrível. Havia evidência de tortura nos seus rostos e corpos. Um deles disse ter pelo menos duas costelas quebradas. Eu passei seis horas tentando ajudá-los a beber água, dormir, urinar e se movimentar."

No meio da madrugada, os três integrantes da equipe da BBC foram levados para outro prédio junto com o motorista de táxi que dirigia o carro em que eles estavam quando foram presos. Eles foram então colocados em uma caminhonete com outros prisioneiros e levados para uma enorme instalação militar em Trípoli, possivelmente a sede do serviço de inteligência.

“Eles nos colocaram em uma fila, olhando para a parede. Havia um homem sem farda, com uma submetralhadora. Ele apontava a arma para todo o mundo”, disse Cobb-Smith.

“Depois de gritar comigo, ele colocou a arma no meu pescoço e puxou o gatilho, duas vezes. As balas passaram perto do meu ouvido e os soldados riram. Foi muito assustador.”

Depois disso, um homem que falava inglês muito bem perguntou de onde eles eram, conversou com eles e ordenou que as algemas fossem retiradas.

Ele preencheu vários documentos e a equipe foi liberada e levada para uma sala onde havia maços de cigarro, chá, café e comida. Eles ficaram lá por mais sete horas até serem levados de volta ao Hotel Rixos, onde grande parte da imprensa estrangeira está hospedada.

Mais tarde, um integrante do alto-escalão do governo líbio pediu desculpas pelo sofrimento enfrentado pela equipe da BBC.

Notícias relacionadas