Ilha de Páscoa se prepara para tsunami, enquanto governo eleva nível de alerta

Foto: BBC
Image caption Governo chileno elevou o nível de alerta de tsunami na ilha

A Ilha de Páscoa, a 3,7 mil quilômetros da costa chilena, se prepara para a chegada do tsunami provocado pelo terremoto de magnitude 8.9 no Japão, enquanto o governo elevou o nível de alerta no local.

Segundo a governadora da Ilha, Carmen Cardinali, 1.500 moradores da região costeira serão levados até o aeroporto da capital, Hanga Roa.

“Os três colégios da Ilha, o comércio e o serviço público foram fechados por precaução”, disse Cardinali.

A governadora disse ainda que os moradores da costa serão transportados em carros oficiais e particulares até o aeroporto, e que deverão permanecer lá por cerca de três horas, tempo estimado para a possível passagem das ondas provocadas pela tsunami.

Segundo Cardinali, a previsão é de que a primeira onda gigante chegue à Ilha no fim da tarde (início da noite no Brasil).

A Ilha de Páscoa possui 5.800 habitantes, mas a operação de retirada incluirá apenas os que moram perto do mar.

“Estamos tranquilos porque já fizemos operações de evacuação em muitas outras ocasiões”, disse a governadora.

Precaução

Logo após o terremoto no Japão, as principais emissoras de rádio da Ilha de Páscoa começaram a informar à população sobre medidas de precaução, como a necessidade de se afastar da orla por causa da possibilidade de ondas gigantes.

A prefeita da Ilha, Luz Zasso Paoa, fez um apelo na emissora de televisão chilena TVN para que os familiares “não transmitam pânico” aos ilhéus.

“Que os que estão no continente não angustiem os que estão aqui. Estamos fazendo tudo de forma segura”, disse.

O agente de turismo espanhol Victoriano Giraldi, de 71 anos, disse à BBC Brasil que não acreditava que as ondas chegassem a afetar a Ilha.

“Moro aqui há trinta e cinco anos e já estou acostumado. Acho que o mar ficará mais revoltado que o normal, mas não espero tsunamis."

Segundo Giraldi, a Ilha tem registrado forte presença de turistas brasileiros nos últimos tempos. “Mas aqui todos estão seguros”, disse.

Ondas

O geógrafo da Universidade Católica do Chile, Marcelo Lopes, disse à TVN que os chilenos têm motivos para se preocupar com possíveis tsunamis entre esta sexta e sábado. "O Chile está em frente ao Japão e é preciso estar alerta", disse.

Em entrevista à rádio chilena Cooperativa, o geofísico cubano Victor Sardiña, do Centro de Alertas de Tsunamis do Pacífico, com sede no Havaí, disse que as ondas poderiam chegar a 1,5 metros na costa chilena. “Mas esta não é uma ciência exata e o principal é que não exista pânico”, declarou.

De acordo com o Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha do Chile (SHOA, na sigla em espanhol), as primeiras ondas provocadas pelo terremoto no Japão chegaram à orla do continente chileno a partir da meia-noite.

A informação gerou preocupação entre os moradores das regiões afetadas pelo terremoto e tsunamis do ano passado, como a cidade de Constituição.

“Por mais que a gente não queira é difícil não lembrar do que vivemos há tão pouco tempo”, disse uma moradora às TVs locais.

Nas primeiras horas do dia, o Escritório Nacional de Emergência (ONEMI, na sigla em espanhol) decretou alerta de tsunami para o país.

Peru

O presidente chileno, Sebastián Piñera, disse que “é melhor prevenir do que errar” e que este ano o país está “melhor preparado” do que no ano passado para “enfrentar os desafios naturais”.

O governo municipal de Lima, capital do Peru, também determinou o bloqueio do trânsito na orla local como prevenção contra possíveis tsunamis.

A Marinha peruana informou que os primeiros tsunamis devem começar a chegar ao país por volta das 19h (hora local), com ondas de 1,5 metros.

Lima e Callao, cidades portuárias, suspenderam as aulas. O presidente Alan García disse que o país está preparado para os efeitos do terremoto no Japão.

Notícias relacionadas