Tragédia no Japão

Desastre no Japão deve se tornar o mais custoso da história

VEJA: DESASTRES NATURAIS MAIS CUSTOSOS DA HISTÓRIA

  • Casa à deriva após tsunami que atingiu o nordeste do Japão
    Com estimativas de danos que já chegam a US$ 200 bilhões, segundo algumas avaliações, o terremoto e o tsunami que atingiram o Japão na semana passada devem se tornar o desastre natural mais custoso da história.
  • Destruição provocada pelo terremoto de 1995 em Kobe, no Japão
    Segundo levantamento do Centro de Pesquisas de Epidemiologia dos Desastres (Cred), o desastre natural mais custoso até hoje havia sido o terremoto de Kobe, no Japão, em 1995, com um custo estimado em US$ 143 bilhões, em valores atualizados.
  • Ruas de Nova Orleans alagadas após passagem do furacão Katrina
    Logo depois aparece o furacão Katrina, que causou estragos em vários Estados americanos e arrasou a cidade de Nova Orleans, em 2004. Os custos dessa tragédia foram estimados em US$ 140 bilhões em valores atuais.
  • Danos provocados pelo terremoto de 2008 em Sichuan, na China
    O terremoto de Sichuan, na China, em 2008 (acima), aparece em terceiro na lista do Cred, com um custo estimado em US$ 86 bilhões, seguido do terremoto de Irpinia, na Itália, em 1980, que teria provocado danos estimados em US$ 53 bilhões.
  • Carro esmagado por casa que caiu após terremoto de 1994 na Califórnia
    Segundo o centro de estudos com sede em Bruxelas, na Bélgica, o quinto desastre natural mais custoso até hoje era o terremoto de Northridge, na Califórnia, que atingiu a cidade de Los Angeles, em 1994, com danos estimados em US$ 44 bilhões.
  • Imagem de satélite mostra o furacão Andrew se aproximando da costa americana
    O furacão Andrew, que atingiu vários Estados do sul dos EUA em 1992, aparece em sexto lugar na lista do Cred, com um custo estimado em US$ 41 bilhões, seguido pelas enchentes de 1998 na China, com danos estimados em US$ 40 bilhões.
  • Fenda aberta em estrada chilena pelo terremoto de 2010
    A lista dos dez desastres mais custosos é completada pelo terremoto de Chuetsu, no Japão, em 2004, com custo de US$ 32 bilhões, pelo furacão Ike, nos EUA, em 2008, com custo de US$ 30 bilhões, e pelo terremoto de 2010 no Chile (acima), também com danos estimados em US$ 30 bilhões.

Com estimativas de danos que já chegam a US$ 200 bilhões, segundo algumas avaliações, o terremoto e o tsunami que atingiram o Japão na semana passada devem se tornar o desastre natural mais custoso da história.

Segundo um levantamento feito pelo Centro de Pesquisas de Epidemiologia dos Desastres (Cred), o desastre natural mais custoso até hoje havia sido o terremoto de Kobe, no Japão, em 1995, com um custo estimado em US$ 143 bilhões, em valores atualizados.

Logo depois aparece o furacão Katrina, que causou estragos em vários Estados americanos e arrasou a cidade de Nova Orleans, em 2004. Os custos dessa tragédia foram estimados em US$ 140 bilhões em valores atuais.

DESASTRES NATURAIS MAIS CUSTOSOS

Terremoto de Kobe (Japão, 1995)
US$ 143 bi
Furacão Katrina (EUA, 2005)
US$ 140 bi
Terremoto de Sichuan (China, 2008)
US$ 86 bi
Terremoto de Irpinia (Itália, 1980)
US$ 53 bi
Terremoto de Northridge (EUA, 1994)
US$ 44 bi
Furacão Andrew (EUA, 1992)
US$ 41 bi
Enchentes (China, 1998)
US$ 40 bi
Terremoto de Chuetsu (Japão, 2004)
US$ 32 bi
Furacão Ike (EUA, 2008)
US$ 30 bi
Terremoto (Chile, 2010)
US$ 30 bi

Fonte: Cred (Centro de Pesquisas de Epidemiologia dos Desastres)

Eventos recentes

Entre os 20 desastres naturais mais custosos da história, segundo o levantamento do Cred, aparecem apenas dois eventos anteriores à década de 1980: o terremoto de Tangshan, na China, em 1976, que aparece em 14º na lista, com um custo atual estimado em US$ 21 bilhões, e as enchentes de 1931 na China, com danos de US$ 20 bilhões.

Para David Hargitt, gerente de dados do Cred, a concentração de eventos mais recentes no topo da lista pode ser explicada pelo desenvolvimento econômico. “Há mais obras de infraestrutura, mais edifícios, mais pessoas morando num mesmo espaço. Há mais coisas para serem destruídas”, observa.

“Num lugar onde antes havia dez casas, hoje pode haver cem edifícios, com um valor maior, o que aumenta os custos”, explica.

Como efeito de comparação, o grande terremoto de 1906 em San Francisco, que deixou desabrigada praticamente um terço da população da cidade, de 400 mil habitantes na época, aparece apenas na 36ª posição na lista do Cred, com danos estimados em US$ 12,7 bilhões em valores atualizados.

O terremoto do Haiti no ano passado, que devastou a capital do país, Porto Príncipe, e teria matado mais de 300 mil pessoas, segundo o governo haitiano, é apenas o 69º desastre natural mais custoso, segundo a lista do Cred.

A organização belga, que atua como consultora da ONU, vem compilando dados sobre desastres em todo o mundo há mais de 30 anos.

O centro ainda não incluiu os dados sobre a atual tragédia no Japão em sua lista, por considerar que é um evento ainda em andamento.

“Esperamos até que todos os trabalhos de resgate estejam terminados para fazermos uma análise mais cuidadosa sobre os custos”, explica Hargitt. “Ainda não temos uma estimativa para o Japão, mas a impressão, a prior, é de que esse deve se tornar o desastre natural mais custoso da história”, diz.

Segundo ele, os dados do centro estão baseados em informações oficiais, em verificações de campo e avaliações da companhia internacional de seguros Munich Re.

O banco de investimentos Goldman Sachs estimou as perdas com o deastre no Japão em US$ 200 bilhões, enquanto o Barclays Capital Japan avalia os custos em US$ 186 bilhões. Entre as outras estimativas sobre as perdas até agora estão as do banco Credit Suisse (US$ 175 bilhões) e do Citigroup (US$ 122 bilhões).

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.