Tragédia no Japão

Em meio a risco nuclear, ruas de Tóquio permanecem vazias

GALERIA DE FOTOS: TÓQUIO ESVAZIADA

  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    O vazamento de radioatividade de uma usina nuclear no Japão após o terremoto seguido de tsunami da sexta-feira passada esvaziou as principais ruas de Tóquio, a capital do país. O templo Meiji Jingu estava vazio na manhã de quinta-feira. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    Em Shibuya, um dos mais agitados distritos da capital japonesa, poucas pessoas nas ruas e os famosos letreiros e telões todos em silêncio. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    O famoso cruzamento de Shibuya, por onde passam cerca de 3 milhões de pessoas diariamente, estava tranquilo na manhã desta quinta-feira. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    Nos supermercados da capital ainda há falta de produtos, como pães, água e leite. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    Japonês observa noticiário em um dos poucos telões ainda em funcionamento na capital. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
  • Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil
    Campanhas para arrecadar dinheiro para ajudar os sobreviventes do terremoto e do tsunami se espalharam por todo o Japão. Na foto, jovens que têm parentes em Sendai pedem a ajuda da população na estação de Shinjuku. Foto: Ewerthon Tobace /BBC Brasil

O vazamento de radioatividade de uma usina nuclear no Japão após o terremoto seguido de tsunami da sexta-feira passada esvaziou as principais ruas de Tóquio, a capital do país.

Apreensivos, os japoneses que ficaram na cidade tentam levar uma vida normal.

Ainda assim, o cruzamento mais movimentado do mundo, no distrito de Shibuya, na capital japonesa, não parece mais o mesmo. As mais de 3 milhões de pessoas que circulam pela região diariamente não foram mais vistas nos últimos dias.

Também não é possível ouvir o barulho dos telões gigantes. Grandes redes de supermercados e lojas de departamento foram forçadas a fechar as portas enquanto durar o racionamento de energia elétrica.

A cidade está vazia, mas não deserta. Muitas empresas, confiantes na recuperação do país, já estão pedindo aos funcionários para voltar ao trabalho normalmente.

Escritórios e lojas abriram as portas nesta quinta-feira, mas com horário de expediente reduzido.

Alguns poucos turistas passeiam pela cidade. Os trens circulam com a frota reduzida e, para economizar energia, as luzes das estações e dos vagões foram desligadas.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.