Obama diz que Khadafi sofrerá ‘consequências’ se não acatar ONU

Barack Obama/AFP Direito de imagem BBC World Service
Image caption Obama disse que o líder líbio tem uma escolha clara

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez nesta sexta-feira uma advertência ao líder líbio, Muamar Khadafi, afirmando que ele precisa acatar imediatamente os termos de uma resolução da ONU que exige o fim das hostilidades contra opositores de seu regime ou irá enfrentar consequências.

"O coronel Khadafi agora tem uma escolha. Um cessar-fogo deve ser imediatamente implementado, suas tropas devem sair de cidades controladas por rebeldes e seus fornecimentos de água e eletricidade, normalizados", disse ele.

"Todos os ataques contra civis devem parar. Khadafi deve impedir que suas tropas continuem avançando para Benghazi e retirá-las de Ajdabiyah, Misrata e Zawiya."

"O povo líbio precisa ter acesso a assistência humanitária. Deixe-me ser muito claro: Esses termos não são negociáveis. Se ele não acatar, a comunidade internacional irá impor conseqüências", afirmou.

Em conjunto

O presidente americano afirmou que "temos todos os motivos para acreditar que, se deixado só, Khadafi cometeria atrocidades contra seu povo" e poderia desestabilizar a região.

Segundo ele, soldados americanos não vão ser enviados para operações terrestres na Líbia e os Estados Unidos vão agir "com parte de uma coalizão internacional".

"A liderança americana é essencial, mas não significa que agiremos sozinhos", disse.

"Por isso orientei a secretária Clinton a viajar para um encontro em Paris para discutir com nossos aliados europeus e parceiros árabes a aplicação da resolução 1973", disse ele, se referendo ao texto aprovado pela ONU que autoriza o uso da força militar contra Khadafi.

Ataques

Na sexta-feira, o governo líbio anunciou um cessar-fogo com os rebeldes. Muitos líderes da comunidade internacional se mostraram reticentes a respeito do anúncio.

Leia mais na BBC Brasil: Comunidade internacional reage com cautela a 'cessar-fogo' na Líbia

Horas após o anúncio feito por Tripoli, forças pró-Khadafi atacaram a cidade de Misrata, a única grande cidade controlada por rebeldes no oeste do país, com tanques e artilharia pesada.

Fontes médicas afirmam que os ataques mataram dezenas de pessoas, incluindo crianças. Testemunhas dizem que os ataques de sexta-feira foram os mais violentos desde o início da crise.

O fornecimento de água e eletricidade da cidade foi cortado há dias.

Também há relatos de confrontos nas cidades de Zintan e Nalut, também no oeste.

No leste, nos últimos dias, as tropas do governo vinham avançando na região entre as cidades de Ajdabiya e Benghazi – o principal bastião dos rebeldes.

Notícias relacionadas