Cocô de cachorro provoca tiroteio nos EUA

Cão defecando Direito de imagem GETTY IMAGES
Image caption Coco de cão teria sido pivô de briga entre vizinhnos

Dois vizinhos, no estado americano do Mississippi, trocaram tiros devido a uma discussão sobre um cão defecando, que acabou fugindo ao controle.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, Jerry Blasingame, de 60 anos, foi acusado de agressão a tiros contra Tehnet Terry, 52 anos. Jerry teria usado uma espingarda.

No incidente ocorrido na quarta-feira, Tehnet ficou irritado porque pensou que o cão de Blasingame tivesse defecado no gramado de sua propriedade, situado numa área rural do Mississippi.

Os dois começaram a atirar um contra o outro e Tehnet foi atingido no peito, braço e quadril por disparos feitos com uma espingarda. Apesar dos ferimentos, ele não corre risco de vida, e ainda poderá ser acionado judicialmente.

Blasingame foi acusado de agressão com agravante, mas Tenhet também poderá ser processado.

Versões

Os dois homens deram versões diferentes à AP sobre o incidente.

Em relato à agência de notícias, Tehnet contou ter feito uma visita ao seu vizinho, para se queixar do cocô de cachorro em sua propriedade.

Ele disse que o vizinho o acusou de ter atirado contra o seu cão na semana anterior, e que Blasingame ainda o teria ameaçado, dizendo: "Basta me encontrar na barragem, que eu vou atirar em você".

Blasingame afirmou à AP que pegou sua arma e saiu para encontrar Tehnet, mas que este não o seguiu, o que fez com que ele resolvesse voltar para casa.

Mais tarde, os dois voltaram a se enfrentar na rua em que moram e cada um diz que o outro sacou sua arma primeiro.

''Ele atirou duas vezes e eu respondi aos tiros'', disse Blasingame.

Tehnet afirmou que o vizinho disparou primeiro com sua espingarda e que ele teria pego sua pistola em seu carro e atirado de volta.

O vice-xerife do condado local, Billy Barber, afirmou: "Proprietários e moradores precisam respeitar a propriedade alheia. Se um cão fez isso no seu quintal, chame a lei, não tome a justiça em suas próprias mãos''.