Forças pró-Khadafi atacam cidade controlada por rebeldes

Rebelde se arma para enfrentar tropas de Khadafi em Ajdabiya Direito de imagem Getty Images
Image caption Rebeldes foram pegos de surpresa por ofensiva em Ajdabiya

Tropas leais ao líder líbio Muamar Khadafi atacaram neste sábado a cidade de Ajdabiya, controlada pelos rebeldes, relata o correspondente da BBC Jon Leyne.

As tropas do regime chegaram de surpresa, em cerca de 20 veículos, por diversos lados, e promoveram várias horas de intenso combate. Mas não tomaram a cidade.

Segundo Leyne, a intenção das tropas de Khadafi parecia ser desestabilizar os insurgentes, e não tomar o controle de Ajdabiya, que fica próxima ao bastião rebelde de Benghazi. Possivelmente as forças governamentais pretendiam também evitar o avanço dos rebeldes rumo à cidade portuária estratégica de Brega.

Não se sabe quantas pessoas morreram nos combates deste sábado. Acredita-se que a maioria dos civis tenha fugido da cidade.

Ao mesmo tempo, a Força Aérea Britânica informou ter destruído, via artilharia aérea, sete tanques do Exército de Khadafi.

A ofensiva aérea ocorreu em Ajdabiya e na cidade de Misrata, que também tem sido palco de intensos confrontos entre rebeldes e tropas governamentais.

Segundo um porta-voz do Ministério da Defesa britânico, a patrulha é parte do bloqueio aéreo imposto na Líbia por resolução da ONU, com o objetivo de evitar que as tropas de Khadafi ataquem civis.

Trinta e quatro nações estão envolvidas nas operações internacionais na Líbia, atualmente comandadas pela Otan (aliança militar ocidental).

Diplomacia

No front diplomático, um grupo de cinco líderes africanos, liderado pelo presidente da África do Sul, Jacob Zuma, visitará a Líbia neste domingo para pedir uma trégua nos combates entre rebeldes e tropas governistas.

O grupo, que inclui também líderes da República Democrática do Congo, da Mauritânia, do Mali e de Uganda, visitará a capital Trípoli e Benghazi

Em Trípoli, a TV estatal mostrou Khadafi em visita a uma escola, neste sábado, em sua primeira aparição pública em dias.

A TV estatal exibiu imagens de estudantes gritando slogans de oposição ao Ocidente.

Notícias relacionadas