Exército do Egito substituirá governadores da era Mubarak

Manifestantes na praça Tahrir, neste domingo, no Cairo (AFP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Manifestantes voltaram à praça Tahrir, no Cairo

O governo interino do Egito afirmou que vai retirar alguns dos governadores de províncias que foram nomeados pelo ex-presidente Hosni Mubarak.

A medida seria uma concessão aos manifestantes, que exigem que Mubarak e sua família sejam julgados por corrupção e que também pediram a substituição destes governadores.

Muitos dos manifestantes acreditam que os militares do governo interino estão protegendo Mubarak e seus aliados.

O anúncio do governo interino egípcio ocorre depois de as forças de segurança do país terem entrado na praça Tahrir, centro do Cairo, no sábado em confrontos que deixaram pelo menos um morto.

Muitos dos manifestantes reformistas estão insatisfeitos com o ritmo das mudanças durante a transição no Egito.

Centenas deles continuam acampados na praça Tahrir, centro simbólico dos protestos que levaram à renúncia de Mubarak em fevereiro, depois de quase 30 anos no poder. Outros chegaram durante a noite de sábado.

'Firmeza e força'

O governo interino e militar, por sua vez, afirmou que vai usar firmeza e força para retirar os manifestantes da praça e para o país voltar à vida normal.

"A praça Tahrir vai ser esvaziada com firmeza e força para garantir que a vida volte ao normal", disse o general Adel Emarah, do conselho militar egípcio, durante uma entrevista coletiva.

Segundo a correspondente da BBC no Cairo Yolande Knell, também surgiram divisões entre os manifestantes com alguns pedindo pela renúncia do substituto de Mubarak, que ocupa o cargo de líder interino do Egito, Mohammed Hussein Tantawi.

Tantawi foi o ministro da Defesa de Mubarak e era muito próximo do ex-presidente.

Mas, outros manifestantes temem que um maior antagonismo com os militares vai causar mais problemas para o Egito antes das eleições e também pode prejudicar a transição para um governo civil, planejada ainda para 2011.

Notícias relacionadas