Coreia do Norte confirma detenção de cidadão americano

Jimmy Carter e Aijalon Gomes (direita)/AP
Image caption Jimmy Carter conseguiu a libertação de Gomes (direita)

A Coreia do Norte confirmou nesta quinta-feira que prendeu um cidadão americano que estava no país e que se prepara para julgá-lo por cometer um crime.

O americano Jun Young-su foi preso em novembro, de acordo com a agência de notícias estatal norte-coreana, KCNA. Não foi esclarecido de qual crime o americano é acusado.

Na terça-feira, o Departamento de Estado americano havia anunciado a detenção de um cidadão do país na Coreia do Norte e pediu sua libertação por razões humanitárias, mas até agora a prisão não havia sido confirmada por Pyongyang.

Os Estados Unidos não revelaram o nome do cidadão detido, mas disseram que diplomatas suecos o visitaram.

A embaixada sueca cuida dos interesses americanos na Coreia do Norte já que os EUA não têm relações diplomáticas com Pyongyang.

Carter

A imprensa sul-coreana sugeriu que o americano foi preso por pregação religiosa sem autorização. Ele seria uma empresário de origem coreana que foi ao país para atuar como missionário cristão.

A Coreia do Norte costuma considerar religiões organizadas ameaças em potencial para seu regime.

Outros cidadãos americanos foram detidos pelo país nos últimos anos.

Em 2010, o missionário cristão Aijalon Gomes, condenado a oito anos de trabalhos forçados por entrar ilegalmente no país, foi libertado durante visita do ex-presidente americano Jimmy Carter.

O ex-presidente Bill Clinton também foi ao país assegurar a libertação de duas jornalistas americanas em 2009, detidas por vários meses.

A notícia da nova prisão de um americano foi confirmada pela Coreia do Norte às vésperas de uma nova visita de Carter ao país. Analistas dizem que o país poderia libertar o americano para transmitir a ideia de que merece concessões políticas e econômicas.

Notícias relacionadas