Justiça chilena determina exumação do corpo de Salvador Allende

Salvador Allende/AP Direito de imagem BBC World Service
Image caption A exumação permitirá esclarecer a morte de Allende

A Justiça do Chile determinou nesta sexta-feira a exumação do corpo do presidente Salvador Allende, morto no dia 11 de setembro de 1973, durante o golpe militar liderado pelo general Augusto Pinochet.

O objetivo é determinar as causas da morte.

O juiz federal Mario Carroza, que investiga a morte de Allende, decretou a exumação a pedido da filha do presidente, a senadora Isabel Allende.

"Para o país e também internacionalmente é muito importante saber o que aconteceu. A exumação permitirá a autopsia. E a autopsia será a prova mais rigorosa e definitiva para estabelecer a causa da morte (de Allende)", disse a senadora.

Segundo ela, a exumação, que deve ocorrer na segunda quinzena de maio, "afastará qualquer dúvida ou especulação".

Investigações

O líder chileno foi morto durante os bombardeios contra o palácio presidencial La Moneda, em Santiago.

Existem duas principais versões para a morte: ou Allende teria se suicidado ou teria sido morto por soldados que invadiram o palácio.

A senadora, socialista como o pai, tem recebido apoio de diferentes entidades e de familiares das vítimas da ditadura de Pinochet (1973-1990).

Em março, a Agrupação de Familiares de Executados Políticos (AFEP) já havia solicitado a exumação de Allende à Justiça.

Na ocasião, a entidade argumentou que o presidente teria sido "vítima de magnicídio (assassinato de pessoa importante)" e apresentou ainda pedido de investigação de outros 403 casos por supostas violações de direitos humanos.

Recentemente, foi aberta investigação judicial sobre a causa da morte, em 1982, do antecessor de Allende, o ex-presidente Eduardo Frei Montalva (1964-1970), pai do ex-presidente Eduardo Frei (1994-2000).

Em 2005, um ex-agente da polícia de Pinochet disse que Frei Montalva teria sido "envenenado com uma toxina".

Notícias relacionadas