Ex-inspetor da ONU é condenado por chat erótico com menor

AP Direito de imagem AP
Image caption Scott Ritter deixa tribunal com mulher e uma filha, na Pensilvânia

Um ex-inspetor de armas da ONU foi considerado culpado nessa quinta-feira, por um tribunal da Pensilvânia, nos EUA, por fazer contato ilegal com uma menor.

O americano Scott Ritter, 49 anos, teve uma conversa online em fevereiro de 2009 com o policial Ryan Venneman, que se fez passar por uma garota de 15 anos chamada Emily.

Durante o chat online, Ritter simulou atos sexuais em frente a uma webcam, mesmo com "Emily" insistindo que tinha apenas 15 anos de idade.

Acusado de sete crimes, Ritter foi condenado por seis. O advogado do americano afirmou que seu cliente não achava que estava falando com uma menor de idade.

Ritter permaneceu calado no momento em que ouvia a sua condenação, enquanto suas filhas gêmeas, de 18 anos, choravam.

Ex-fuzileiro naval, Ritter foi um crítico veemente da guerra do Iraque de 2003. Ele deixou seu cargo na ONU em 1998.

Pouco depois, ele foi acusado de tentar marcar um encontro com um policial que se fez passar por uma menina de 16 anos de idade.

Vídeo

Durante o julgamento, na última terça-feira, os promotores apresentaram ao júri um vídeo, com 20 minutos de duração, que mostrava o ex-inspetor da ONU conversando com o policial por meio do computador e simulando atos sexuais.

Em sua argumentação final, a defesa de Ritter admitiu que os jurados podem ter ficado "transtornados e ofendidos" com o conteúdo do vídeo e da conversa online.

Notícias relacionadas