Barcelona e Real Madrid superam beisebol e assumem topo de ranking salarial

Sergio Ramos, do Real Madri, e Lionel Messi, do Barcelona (à direita) Direito de imagem REUTERS
Image caption Real e Barcelona assumiram dianteira pela primeira vez

O Barcelona e o Real Madrid se tornaram as equipes esportivas com os jogadores mais bem pagos do mundo, segundo um ranking recém-divulgado pela agência de notícias esportiva Sporting Intelligence.

De acordo com a tabela da Sports Intelligence, os atletas do Barcelona faturam o equivalente a US$ 7,9 milhões por ano (cerca de R$ 12,4 milhões) e os do Real Madri, uma média de US$ 7,3 milhões (cerca de R$ 11,5 milhões).

No ranking deste ano, que mede salários de atletas de equipes de diferentes esportes, os jogadores das duas equipes espanholas superaram pela primeira vez os do time de beisebol americano New York Yankees, que estava na dianteira na lista de 2010, mas que passou para a terceira posição.

A tabela inclui um total de 272 equipes que atuam em 14 ligas, de sete modalidades esportivas, em dez países.

Barcelona e Real Madrid são os dois únicos clubes de futebol presentes nas cinco primeiras posições do ranking.

Tabela

Logo atrás dos New York Yankees, cujos atletas faturam uma média de US$ 6,7 milhões por ano (cerca de R$ 10,5 milhões), estão duas equipes de basquete americanas: os LA Lakers e o Orlando Magic.

Em seguida, está o time de futebol inglês Chelsea, na sexta colocação, seguido da equipe italiana Milan, do time de beisebol americano Boston Red Sox, da equipe de basquete Denver Nuggets, e do time de futebol inglês Manchester City.

A Liga Inglesa é a que conta com o maior número de times entre os atletas mais bem pagos, com Manchester City, Manchester United, Liverpool e Arsenal entre os 30 primeiros do ranking.

"Nós sabíamos há anos que a grana de verdade estava no basquete e beisebol americanos, mas a ascensão dos salários entre a elite do futebol europeu está reduzindo essa diferença’’, afirmou Nick Harris, o autor da tabela.

Mas isso pode mudar devido a novas regras criadas pelo órgão regulador do futebol europeu, a Uefa, que pretende, a partir da próxima temporada, impedir que clubes gastem mais do que faturam.