Número dois da Al-Qaeda é morto em ataque da coalizão no Afeganistão

A coalizão liderada pelos EUA no Afeganistão afirmou ter matado o número dois da rede extremista Al-Qaeda no país, o saudita Abdul Ghani - também conhecido como Abu Hafs al-Najdi.

Ghani morreu há cerca de duas semanas em um ataque aéreo na província de Kunar, perto do Paquistão.

Porta-vozes da Otan, a aliança militar ocidental, afirmam que Ghani coordenava campos de treinamento e planejava ataques a líderes tribais e estrangeiros no país.

A Otan estima que cerca de cem integrantes da Al-Qaeda estejam em atividade no Afeganistão.

Segundo a aliança, mais de 25 líderes e militantes da Al-Qaeda foram mortos no mês passado. Não há confirmação independente da informação.

Abdul Ghani foi responsabilizado por vários ataques no Afeganistão, incluindo o que resultou na morte de Malik Zarin, um líder tribal do leste do Afeganistão, que era um aliado próximo do presidente Hamid Karzai.

Ele também era acusado de planejar ataques a estrangeiros, incluindo autoridades dos EUA.

Também nesta terça-feira, autoridades afegãs disseram ter recapturado 65 dos mais de 470 prisioneiros que escaparam da prisão de Kandahar na noite de domingo. A maioria dos foragidos é integrante da milícia Talibã.

Notícias relacionadas