Obama vai visitar Nova York para marcar morte de Bin Laden

Obama e sua equipe assistem, na Casa Branca, à operação que resultou na morte de Bin Laden (Foto: Pete Souza/Casa Branca) Direito de imagem Other
Image caption Presidente assistiu na Casa Branca à operação de caça a Bin Laden

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá visitar Nova York na quinta-feira para marcar a morte do líder da rede extremista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, informou a Casa Branca.

Obama vai visitar o Marco Zero, local onde ficavam as torres gêmeas do World Trade Center, destruídas nos atentados de 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3 mil pessoas e dos quais Bin Laden é acusado de ter sido o principal mentor.

Segundo a Casa Branca, o presidente deverá se reunir com familiares das vítimas.

Desde o anúncio da morte de Bin Laden, na noite de domingo, milhares de pessoas se reuniram no Marco Zero para festejar, empunhando bandeiras americanas e gritando slogans pró-EUA.

Nesta segunda-feira, em um discurso no local, o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, disse que “o espírito de Nova York nunca esteve tão fortalecido”.

Também em Washington uma multidão se aglomerou em frente à Casa Branca para celebrar a morte de Bin Laden.

‘Sentimento de união’

Na noite desta segunda-feira, em um jantar reunindo líderes congressistas democratas e republicanos na Casa Branca, Obama disse que a morte de Bin Laden fez com que o país vivenciasse “o mesmo sentimento de união que prevaleceu após o 11 de Setembro”.

“Nesta noite, é minha esperança ardente que nós possamos usar um pouco dessa união e um pouco desse orgulho para confrontar os muitos desafios que ainda enfrentamos”, afirmou.

Muito aplaudido pelos congressistas dos dois partidos ao mencionar a morte de Bin Laden, Obama agradeceu às forças especiais responsáveis pela missão que resultou na morte de Bin Laden, no Paquistão.

“Quero mais uma vez reconhecer os heróis que levaram adiante esta missão incrivelmente perigosa, assim como a todos os militares e profissionais de contraterrorismo que fizeram com que esta missão fosse possível”, disse Obama.

Tempo real

Bin Laden foi morto no domingo em uma operação das forças americanas na mansão em que estava escondido, na cidade de Abbottabad, ao norte da capital do Paquisão, Islamabad.

Sua morte foi anunciada por Obama no fim da noite de domingo, em um pronunciamento transmitido ao vivo pela TV.

Segundo a Casa Branca, o presidente e a cúpula da área de segurança assistiram em tempo real, na Casa Branca, aos cerca de 40 minutos da operação que levou à morte de Bin Laden.

“Foi provavelmente um dos períodos mais cheios de ansiedade, eu acho, nas vidas das pessoas que estavam reunidas aqui ontem (domingo)”, disse o principal assessor da Casa Branca para assuntos de segurança nacional e contraterrorismo, John Brennan.

“Os minutos passavam como dias.”

Conselho de Segurança

Também nesta segunda-feira, em uma rara declaração a respeito de operações militares unilaterais de um de seus membros, o Conselho de Segurança da ONU saudou a morte de Bin Laden.

“O Conselho de Segurança reconhece este avanço crucial e outras realizações na luta contra o terrorismo e insta todos os Estados a permanecerem vigilantes e intensificar seus esforços na luta contra o terrorismo”, diz a declaração.

Após a morte de Bin Laden, há o temor de novos ataques contra alvos americanos ou ocidentais. Logo depois de a notícia ter sido divulgada, ainda na noite de domingo, o Departamento de Estado emitiu um alerta sobre o risco de violência “antiamericana”.

Segundo Brennan, a morte de Bin Laden não é o suficiente para acabar com a Al-Qaeda.

“(A rede) pode ser um tigre ferido mortalmente, mas que ainda tem um pouco de vida”, disse Brennan.