Rebeldes anunciam plano de governo para Líbia pós-Khadafi

Mahmoud Jibril/AP Direito de imagem BBC World Service
Image caption Jibril disse que vai pedir ajuda à ONU para eleições municipais

Os rebeldes líbios anunciaram nesta sexta-feira um plano político que deve ser adotado no caso de o líder do país, coronel Muammar Khadafi, deixar o poder.

O plano inclui a instalação de um governo interino enquanto uma nova constituição é escrita e ocorram novas eleições.

Mahmoud Jibril, integrante do Conselho Nacional de Transição (CNT), explicou que o governo interino seria composto por integrantes do CNT, tecnocratas do regime de Khadafi, militares, integrantes do serviço secreto e um juiz da suprema corte.

A nova constituição precisaria ser aprovada por um referendo. Meses depois, ocorreriam eleições parlamentares e presidenciais.

Finanças

Jibril disse que, no curto prazo, o CNT iria pedir a supervisão da ONU para a realização de eleições municipais em áreas controladas por rebeldes.

Ele disse que o órgão precisará entre US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões nos próximos meses para financiar salários, comida, remédios e outros suprimentos.

O chanceler italiano, Franco Frattini, disse que o Grupo de Contato da Líbia, formado por países integrantes da Otan, países árabes e organizações internacionais, prometeu US$ 250 milhões para assistência imediata.

Na quinta-feira, os Estados Unidos disseram estar tentando liberar mais de US$ 30 bilhões pertencentes a Khadafi para a população líbia.

Mas o governo líbio reagiu ao anúncio dizendo que os planos equivaliam a “pirataria”.

Também nesta sexta-feira, a França ordenou a saída do país de 14 diplomatas leais a Khadafi em 48 horas, afirmando que eles não são mais bem-vindos no país.

Os rebeldes líbios, que controlam boa parte do leste do país, continuam em confronto com as forças leais a Khadafi. O maior foco de confrontos tem sido a cidade de Misrata, no oeste.

Notícias relacionadas