Usuário identifica no Twitter celebridades que teriam censurado escândalo

Jemima Khan Direito de imagem PA
Image caption Jemima Khan negou no Twitter ter conseguido uma liminar na Justiça

Um internauta causou grande expectativa e polêmica na Grã-Bretanha ao divulgar no Twitter nomes de celebridades que, segundo ele, obtiveram liminares na Justiça para impedir a imprensa britânica de revelar detalhes sobre as suas vidas privadas.

Milhares de pessoas passaram a seguir o usuário no Twitter depois que ele prometeu identificar as celebridades, provocando problemas de navegação no site de microblogging. Na manhã desta segunda-feira, ele já contava com mais de 20 mil seguidores.

O usuário publicou os nomes de pelo menos duas celebridades em sua conta no Twitter, mas uma delas negou que tivesse obtido uma liminar para restringir a divulgação de informações na imprensa.

Diversas personalidades têm recorrido à Justiça britânica para proibir jornais e revistas de noticiarem informações sobre suas vidas privadas. Algumas das decisões – conhecidas como "superliminares" – impedem inclusive que a imprensa britânica noticie que a liminar foi concedida.

As superliminares provocam polêmica no país. Alguns jornais britânicos afirmam que cabe ao Parlamento – e não à Justiça – a tarefa de regular a imprensa e as leis sobre privacidade.

Também há incerteza sobre o escopo das liminares e superliminares. Alguns advogados avaliam que elas se aplicam apenas a meios tradicionais de imprensa – como rádio, jornais, revistas e televisão – e não às redes sociais – como o Twitter.

Twitter

A socialite britânica Jemima Khan estava entre as celebridades acusadas pelo usuário do Twitter de obter liminares na Justiça.

Ela negou a alegação usando sua própria conta no Twitter: "Boatos de que eu obtive uma superliminar impedindo a publicação de fotos 'íntimas' minhas com (o apresentador de televisão) Jeremy Clarkson. NÃO É VERDADE!"

Recentemente, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, manifestou preocupação com a concessão cada vez mais corrente de liminares de censura à imprensa.

A advogada Charlotte Harris, que trata de casos envolvendo imprensa e privacidade, critica os jornais – sobretudo os tabloides – que usam o Twitter como ferramenta para contornar liminares e superliminares.

"Você deveria poder encerrar uma relação com alguém, seja casado ou não, sem que a outra pessoa diga 'agora eu vou conversar com um tabloide e vou destruir sua vida, vou contar todos os detalhes íntimos a seu respeito'", disse Harris. "Você deveria ter alguma forma de se proteger disso."

Um comitê do Poder Judiciário britânico está preparando um relatório sobre o tema, que deve ser apresentado no final deste mês.

Notícias relacionadas