Obama surpreende e pede mais dois anos de mandato para diretor do FBI

O presidente dos EUA, Barack Obama Direito de imagem Getty
Image caption Pedido de Obama foi feito duas semanas após morte de Bin Laden

Em uma decisão recebida com surpresa nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama anunciou nesta quinta-feira que vai pedir ao Congresso uma extensão de dois anos no mandato do diretor do FBI (a polícia federal americana), Robert Mueller.

“Devido às atuais ameaças enfrentadas pelos Estados Unidos, assim como as transições de liderança em curso em outras agências, como o Departamento de Defesa e a CIA (a central de inteligência americana), eu acredito que a continuidade e a estabilidade no FBI são cruciais neste momento”, disse Obama, em um comunicado divulgado pela Casa Branca.

Mueller deveria deixar o cargo em 4 de setembro, já que a lei americana estabelece que o mandato do diretor do FBI é de dez anos. O atual diretor do FBI nomeado pelo sucessor de Obama, George W. Bush, e assumiu poucos dias antes dos atentados de 11 de setembro de 2001.

A decisão de Obama causou surpresa, já que a Casa Branca vinha há meses buscando substitutos para Mueller, e uma definição sobre o novo nome era esperada para as próximas semanas.

11 de setembro

O anúncio ocorre menos de duas semanas depois de forças especiais americanas terem matado o líder da rede Al-Qaeda e principal mentor dos atentados de 11 de setembro, Osama Bin Laden, em uma operação no Paquistão.

Segundo a Casa Branca, Mueller liderou uma transformação do FBI após os atentados em uma agência “cuja missão principal é a segurança nacional”.

“Durante seus dez anos no FBI, Bob Mueller estabeleceu um padrão de ouro na liderança do serviço”, disse Obama, no comunicado.

“Eu sou grato por sua liderança, e peço a democratas e republicanos no Congresso que trabalhem juntos para estender essa liderança, pela segurança de nossa nação”, afirmou o presidente.

Mudanças

A decisão de Obama também ocorre depois de uma série de mudanças no comando da área de segurança, que foram anunciadas no final de abril e serão implementadas nos próximos meses, caso sejam aprovadas pelo Congresso.

O secretário de Defesa, Robert Gates, deixará o cargo no final de junho, para se aposentar, e será substituído pelo atual diretor da CIA (agência de inteligência americana), Leon Panetta.

A direção da CIA será ocupada pelo general David Petraeus, comandante da Força Internacional de Assistência e Segurança (Isaf, na sigla em inglês), responsável pelas operações de guerra no Afeganistão.

Para o lugar de Petraeus, foi indicado o tenente-general John Allen, atual vice-comandante do Comando Central dos Estados Unidos, responsável pelas operações militares na Ásia Central e no Oriente Médio.

Notícias relacionadas