EUA dizem que rebeldes líbios são ‘legítimos’, mas não reconhecem seu governo

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Para EUA, Khadafi perdeu legitimidade para governar a Líbia

Os Estados Unidos disseram em comunicado nesta sexta-feira que os rebeldes líbios são “interlocutores legítimos e críveis” de seu povo, mas não chegaram a reconhecê-los como governo.

O comunicado da Casa Branca ocorre após a primeira visita de representantes do Conselho Nacional de Transição da Líbia, que faz oposição ao líder Muamar Khadafi, à Casa Branca.

Os rebeldes buscam reconhecimento internacional para ajudá-los na luta contra Khadafi, em meio a bombardeios da Otan (aliança militar ocidental) na Líbia.

Por enquanto, os rebeldes obtiveram o reconhecimento diplomático de França, Gâmbia e Itália. Esses países veem o Conselho Nacional de Transição da Líbia como representante no país até que sejam realizadas eleições, na eventualidade de os rebeldes conseguirem derrubar o regime de Khadafi.

Já Tom Donilon, conselheiro de segurança nacional do presidente Barack Obama, disse, após encontros com os rebeldes, que estes são “um interlocutor legítimo e crível” do povo líbio, sem no entanto atestar que os considera equivalente a um governo. Agregou que Khadafi perdeu a legitimidade para governar.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, declarou que Washington vai continuar a observar as “capacidades (dos rebeldes) enquanto aprofunda seu engajamento com a oposição” na Líbia. Agregou que cabe aos líbios decidir seus governantes, e não a potências estrangeiras.

Khadafi

A visita ocorre em meio a boatos de que Khadafi teria sido ferido durante bombardeios aéreos. O líder líbio tentou negar essa possibilidade em uma mensagem de áudio, divulgada nesta sexta-feira, em que diz que a Otan “não vai conseguir” pegá-lo.

Leia também na BBC Brasil: A Otan não vai conseguir me pegar, diz Khadafi

Na mensagem em áudio, que foi divulgada pela TV estatal líbia, Khadafi também condena o que qualificou de ataque covarde contra seu complexo na capital, Trípoli, na quinta-feira.

Ainda nesta sexta-feira, autoridades líbias divulgaram uma gravação em vídeo do que dizem ter sido um ataque da Otan na cidade de Brega (norte), que teria matado 11 imãs.

Segundo o governo líbio, as vítimas eram parte de um grupo que havia viajado para a cidade, fugindo da vizinha Benghazi, que está sob o controle de rebeldes.

A Otan disse que atacou um prédio do governo e que ainda estava investigando os detalhes da operação.

Notícias relacionadas