EUA prendem acusados de financiar Talebã paquistanês

Direito de imagem AFP
Image caption Ataque do Taleban para vingar Bin Laden matou 80 pessoas no Paquistão

Autoridades americanas acusaram seis pessoas de financiar e apoiar o Talebã paquistanês, informou o FBI neste sábado.

Três delas são cidadãos americanos que vivem ou já viveram na Flórida, incluindo dois imãs de mesquitas na região de Miami. Eles estão presos e vão se apresentar esta semana em cortes americanas.

Os outros três acusados estão soltos no Paquistão, incluindo a filha e o neto de um dos imãs.

Eles são acusados de apoiar crimes envolvendo assassinatos, sequestros e mutilações de pessoas fora do país e de apoiar o Talebã. Se condenados, cada um pode pegar cerca de 15 anos de prisão.

O imã também foi acusado de instalar uma madrassa, escola religiosa, na região paquistanesa de Swat, que forneceria abrigo para os militantes do Talebã.

As prisões ocorreram um dia após o Talebã paquistanês ter matado mais de 80 pessoas no país, em vingança pela morte do líder da Al Qaeda, Osama Bin Laden.

Leia mais na BBC Brasil: Parlamento do Paquistão condena ação que matou Bin Laden

As acusações vêm à tona em um momento de tensão entre os Washington e Islamabad, que surgiu após o ataque americano que matou o líder da Al Qaeda.

Operações suspeitas

Segundo a promotoria americana, o FBI e autoridades da Flórida iniciaram a investigação sobre os acusados após examinarem transações financeiras suspeitas e outras evidências.

Os três americanos acusados são Hafiz Khan, que tem 76 anos e é imã da Mesquita Flagler, em Miami, e seus dois filhos Irfan, de 37 anos, e Izhar, de 24. Izhar também é imã, mas na mesquita de Jamaat al-Mumineen, em Margate, a 50 quilômetros de Miami.

A filha e o neto de imã Hafiz, Amina e Alam Zeb, respectivamente, também foram acusados, mas estão no Paquistão, assim como Ali Rehman.

“Hoje os terroristas perderam outra fonte de financiamento, que usam contra inocentes e contra os interesses americanos. Não vamos permitir que esse país seja usado como base para financiar e recrutar terroristas”, disse o agente do FBI John Gillies.

Segundo Gillies, durante uma conversa gravada sobre a mrote de sete soldados americanos no Afeganistão, Hafiz Khan teria dito que esperava que Deus matasse outros 50 mil.

Notícias relacionadas