Acusado de balear deputada nos EUA é considerado mentalmente incapaz

Jared Loughner Direito de imagem ABC
Image caption Acusado deve ser transferido para instituição que abriga doentes mentais

O homem acusado de ter baleado a deputada americana Gabrielle Giffords, em um ataque que deixou seis mortos em janeiro, no Arizona (EUA), foi considerado mentalmente incapaz de ir a julgamento.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira pelo juiz distrital Larry Burns, que determinou que o acusado, Jared Loughner, de 21 anos, seja transferido para uma instituição federal para doentes mentais por um período de até quatro meses, no qual médicos tentarão tratá-lo.

Durante a audiência que verificava sua capacidade mental para ser julgado, em um tribunal federal na cidade de Tucson, no Arizona, Loughner sofreu um ataque e teve de ser removido do recinto.

Pouco depois, o juiz permitiu que Loughner acompanhasse a audiência pela TV, em uma sala separada.

Ele se declara inocente das 49 acusações pelas quais responde pelo ataque de janeiro, no qual outras 12 pessoas ficaram feridas.

Sanidade

Loughner está detido desde 8 de janeiro, quando realizou o ataque, durante um evento público de Giffords com eleitores do lado de fora de um supermercado.

Entre março e abril, ele passou cinco semanas sendo submetido a avaliações psicológicas por especialistas indicados pelo tribunal.

Antes dos crimes, Loughner já havia sido recusado pelo serviço militar e suspenso da universidade por conta de preocupações a respeito de sua sanidade.

Se Loughner se recuperar e for considerado capaz de ir a julgamento após o tratamento a que será submetido, o processo contra ele terá prosseguimento. Caso contrário, o período de tratamento poderá ser prorrogado.

Giffords, que foi atingida por um tiro na cabeça, tem se recuperado de maneira notável, segundo seu médicos.

Notícias relacionadas