Keiko Fujimori deve inaugurar nova fase dos nipoperuanos na política

Keiko Fujimori, candidata à presidência do Peru. Direito de imagem Reuters
Image caption Keiko tem o apoio da maior parte da comunidade japonesa no Peru

A relação dos japoneses e nikkeis (descendentes) que vivem no Peru com a política do país deve começar uma nova etapa se Keiko Fujimori for eleita presidente neste domingo.

A disputa entre os dois candidatos, que apareceram empatados até agora nas pesquisas de intenções de voto, deve ser acirrada.

A candidata conservadora tem o apoio da comunidade japonesa, como nos tempos mais promissores de seu pai. Mas agora, como os descendentes mais integrados, o fato de ela ser nikkei tem um peso menor da escolha.

A estreia de um nipo-peruano na política do país aconteceu há 21 anos com o pai de Keiko, Alberto Fujimori, que era visto com receio pela comunidade japonesa.

Temor

Segundo o peruano Alejandro Sakuda, autor do livro O Futuro era o Peru: 100 anos de imigração japonesa, muitos japoneses e descendentes eram contra a candidatura de Fujimori, "pois temiam que ele pudesse fracassar e reavivar o ódio que se gerou contra eles por aqui na Segunda Guerra".

Sakuda explica que, na época, muito nipoperuanos foram vítimas de saques, confiscos, foram presos e até deportados para os Estados Unidos, para serem detidos em campos de concentração.

Se esse temor desapareceu com os primeiros êxitos econômicos de Fujimori, ele se transformou em humilhação no final do segundo mandato do presidente, quando ele enunciou - por fax - após uma série de escândalos.

“A descoberta da corrupção e, especialmente, a fuga de Fujimori para o Japão causaram uma imensa vergonha entre os nikkeis, além de ter afetado a boa imagem deles aqui no Peru”, afirma a socióloga Amelia Morimoto, autora do livro Os japoneses e seus descendentes no Peru e coordenadora do Museu Comemorativo da Imigração Japonesa.

Fujimori foi preso e extraditado para o Peru. Hoje, ele cumpre pena de 25 anos por violação dos direitos humanos no país.

Desde então, outros políticos da família Fujimori entraram para o governo, como os parlamentares Kenji Fujimori (irmão de Keiko), Santiago Fujimori (tio da candidata), Susana Higuchi (mãe) e a própria Keiko.

Fidelidade a Keiko

Image caption Dotes Myashiro diz que propostas de Keiko são melhores

Na entrada da Associação Peruano-Japonesa - no bairro de Jesus Maria, em Lima - Dotes Myashiro, de 50 anos, justificou o voto em Keiko Fujimori: “Vou votar nela não só porque é japonesa, mas por suas propostas, que são mais sérias e completas.”

Logo ao lado, no jardim japonês, a aposentada Margarita Gushiken, de 67 anos, disse à BBC Brasil que Keiko é a única candidata confiável. “Ela não representa riscos e vai trazer mais estabilidade.”

No entanto, membros mais jovens da comunidade japonesa parecem dar menos valor à ascendência da candidata.

Nádia Yoza, uma engenheira recém-formada de 25 anos, disse que vai votar para o nacionalista Ollanta Humala, mas se recusou a aparecer em uma foto na reportagem.

“Não quero aparecer porque estou votando nele quase em segredo. Lá em casa todos votam em Keiko”, disse à BBC.

“Eu não quero vê-la repetir a política assistencialista do pai. Outro dia mesmo ela prometeu distribuir sapatos para as crianças, como se isso fosse resolver a pobreza do país.”

Uma amiga de Nádia, que também vota em Humala e prefere não dar seu nome, confirma: “Nós duas somos exceções. Minha família é fanática pela Keiko. Minha avó até chora quando a vê na televisão. ‘Olha lá essa nikkei, que orgulho’, ela diz.”

Ambas são da terceira geração de japoneses no Peru e seus avós chegaram ao país na primeira onda de imigração, que teve início em 1899.

Após um acordo entre os governos de Tóquio e Lima, os imigrantes japoneses começaram a chegar ao país.

Hoje, descontando os cerca de 55 mil dekasseguis peruanos (descendentes de japoneses nascidos no Peru que voltaram ao Japão para trabalhar), eles formam uma comunidade de mais de 60 mil pessoas no país, a segunda maior da América Latina, atrás apenas da brasileira.

Notícias relacionadas