Gleisi não tem experiência nem liderança necessárias, diz presidente do PSDB

Foto: Renato Araújo/ABr Direito de imagem Abr
Image caption Senadora aceitou assumir posto deixado por Antonio Palocci

O presidente do PSDB, o deputado federal Sérgio Guerra (PE), disse nesta quarta-feira à BBC Brasil que a nova ministra-chefe da Casa Civil, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), não tem os atributos necessários para assumir a vaga deixada na terça-feira por Antonio Palocci.

“A ministra nomeada não tem nem a experiência, nem a estatura, nem a liderança que Palocci tinha“, afirmou Guerra.

Para ele, o currículo da ministra não lhe confere “nem experiência na articulação política, nem experiência gerencial”.

“(Gleisi) participou de um governo mal-sucedido no Mato Grosso do Sul, teve tarefa discreta numa prefeitura do interior do Paraná e depois foi diretora da Itaipu, uma empresa que praticamente não tem competidores”, afirmou o tucano.

Filiada ao PT desde 1989, Hoffmann, de 45 anos, foi secretária estadual no Mato Grosso do Sul e secretária de Gestão Pública em Londrina (PR).

Em 2002, ela integrou a equipe de transição de governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e foi nomeada diretora financeira da hidrelétrica de Itaipu. À época, a atual presidente Dilma Rousseff ocupava o cargo de ministra de Minas e Energia.

Leia também na BBC Brasil: Gleisi Hoffmann diz que fará trabalho de gestão na Casa Civil

Segundo Guerra, o afastamento de Palocci se deu com atraso. “Se ele não ia explicar razões, as causas do enriquecimento dele, não deveria ter ficado tanto tempo no cargo.”

‘Desgaste político’

Palocci deixou o posto na terça, três semanas após uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo revelar que seu patrimônio cresceu ao menos 20 vezes enquanto era deputado federal, entre 2006 e 2010.

Os ganhos, segundo Palocci, foram auferidos por sua empresa, a Projeto, por meio de consultorias na área econômica.

A oposição e alguns políticos aliados do governo, no entanto, vinham exigindo a saída do ministro, além de uma investigação para apurar se a evolução do patrimônio de Palocci configura enriquecimento ilícito.

Ao renunciar ao cargo, Palocci disse que “a continuidade do embate político poderia prejudicar suas atribuições no governo”.

Para o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), a saída de Palocci “não sepulta o grande escândalo que foi protegido e blindado durante mais de 20 dias, produzindo enorme desgaste político ao governo”.

Dias afirma que o PSDB insistirá para que o enriquecimento de Palocci seja investigado. “É preciso lembrar que a demissão não é uma sentença de absolvição”, diz à BBC Brasil.

Para o senador, dificilmente a oposição conseguirá as assinaturas necessárias para aprovar a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Congresso, mas, ainda assim, deverá cobrar o Ministério Público para que apure as acusações contra o ministro.

“Embora ele agora seja um cidadão comum, a atuação dele vai além dessa esfera.”

‘Casa mal-assombrada’

Ainda que seja do Paraná, mesmo Estado de Gleisi, Dias não quis se pronunciar sobre a nova ministra.

“Por uma questão de ética, devo aguardar o desempenho dela”, disse. “Não nos cabe analisar nome algum, mas sim desejar o bem e fiscalizar a atuação.”

Dias lembrou crises anteriores na Casa Civil durante o governo Lula, como as que derrubaram os ex-ministros José Dirceu e Erenice Guerra, e disse esperar que o governo aja para que “a Casa Civil deixe de ser uma espécie de casa mal-assombrada”.

Embora analistas atribuam a saída de Palocci, em grande medida, à falta de apoio ao ministro dentro do governo, o senador afirma que a oposição teve importância no processo.

“Sem a atuação da oposição, certamente não haveria alteração no governo. Ao cobrar esclarecimentos, a oposição cumpre seu papel e motiva a opinião pública”.

Notícias relacionadas