Primeiro-ministro grego anuncia que formará novo governo

Atualizado em  15 de junho, 2011 - 16:59 (Brasília) 19:59 GMT

Manifestantes entram em choque com a polícia na Grécia

Milhares foram às ruas para protestar contra pacote de austeridade do governo.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Em meio a violentos protestos na capital Atenas, nesta quarta-feira, o premiê da Grécia, George Papandreou, anunciou que irá formar um novo gabinete de governo e que submeterá a nova administração a um voto de confiança do Parlamento.

"Continuarei no mesmo curso. Este é o caminho obrigatório. Amanhã (quinta-feira) formarei um novo governo e pedirei um voto de confiança", disse ele à TV do país.

As declarações foram feitas após o fracasso das negociações para a formação de um governo de unidade nacional com a oposição.

Papandreou vem buscando a aprovação de novas medidas de austeridade impostas pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), mas o pacote enfrenta a resistência de manifestantes e de membros da oposição.

As medidas precisam ser aprovadas pelo Parlamento grego até o fim do mês para a Grécia continuar recebendo parcelas de ajuda financeira necessárias para que o país continue honrando os pagamentos de sua dívida.

Pacote

O plano de austeridade tem como finalidade gerar uma economia de 6,5 bilhões de euros neste ano por meio do aumento de impostos e do corte de gastos públicos.

Em troca, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordariam em liberar uma parcela de 12 bilhões de euros para que o governo grego possa pagar dívidas que vence no curto prazo.

Mas o plano é altamente impopular com os gregos, que desde o ano passado já vem sendo afetados por medidas que aumentaram os impostos, a carga horária das jornadas de trabalho e diminuíram salários, entre outros benefícios.

Muitos congressistas dizem que vão se opor ao pacote. Representantes da oposição já haviam ameaçado exigir a saída do socialista Papandreou, que conta atualmente com uma maioria de apenas cinco cadeiras entre as 300 do Parlamento.

O correspondente da BBC em Atenas Malcolm Brabant disse que o governo socialista está tentando evitar uma "rebelião" dentro dos seus próprios quadros contra o pacote, que também prevê privatizações.

Papandreou comparou a situação da Grécia com a de um país em guerra, dizendo que está determinado a "vencer" as dificuldades econômicas que o país enfrenta.

Confrontos

Nesta quarta-feira, ocorreram confrontos entre manifestantes e a polícia em frente ao Parlamento em Atenas, onde os legisladores gregos discutiam o plano de austeridade.

Reuters

Pelo menos dez pessoas ficaram feridas nos confrontos em Atenas

Os policiais jogaram bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que responderam jogando pedras. Dezenas ficaram feridos.

Milhares de pessoas participaram dos protestos que transcorreram, em sua maior parte, de forma pacífica.

As duas principais centrais sindicais do país conclamaram uma greve geral para esta quarta-feira.

No entanto, o governo defendeu sua posição.

"Todos os gregos, em particular os mais jovens, querem que lutemos com todas as nossas forças para evitar uma bancarrota desastrosa que minará o futuro do país", disse o porta-voz do governo grego, George Petalotis.

"Estamos batalhando para servir o bem comum, no momento mais crucial da moderna democracia do país."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.