Vaticano planeja centro virtual de informações e combate à pedofilia

Celebração dos 60 anos de ordenação do papa Bento 16, no último dia 12 (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Vaticano diz estar 'levando a sério' escândalos de abuso e que igreja deve estar no centro da solução

O Vaticano anunciou neste sábado que planeja criar um centro virtual de informação para o combate à pedofilia na Igreja Católica, num esforço para lidar com escândalos de abusos que despertaram fortes críticas à Santa Sé.

O centro virtual terá, segundo o anúncio, informações para clérigos sobre proteção e resposta a casos de abusos e também orientações para vítimas de pedofilia. Será escrito em inglês, alemão, francês, espanhol e italiano.

“Queremos que as pessoas saibam que estamos levando isso a sério e que achamos que a igreja deve estar no centro de uma solução (para os escândalos de pedofilia)”, declarou o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, segundo as agências de notícias.

A igreja afirma ter pedido a seus bispos que ajudassem a estabelecer as diretrizes que constam no centro virtual, em linha com leis locais relacionadas a abusos.

O centro virtual vai ser financiado, segundo as autoridades, por doações privadas.

“O centro de e-learning vai funcionar com instituições médicas e universidades para desenvolver uma resposta constante a problemas de abuso sexual”, disse o monsenhor Peter Franzl, da Arquidiocese de Munique.

Na entrevista coletiva deste sábado, o Vaticano anunciou também a realização de uma conferência sobre abuso sexual, a ser realizada em fevereiro em uma universidade de Roma.

A conferência deverá reunir especialistas em psiquiatria, lei canônica, sociologia e proteção infantil, além de bispos e líderes religiosos católicos.

Escândalos

Os anúncios deste sábado são uma reação a diversos escândalos de abusos sexuais envolvendo padres católicos.

Muitos criticam o Vaticano por demora em reagir às denúncias e, em alguns casos, por suposto acobertamento de casos de pedofilia.

No mês passado, o papa Bento 16 disse a bispos ao redor do mundo que eles devem relatar imediatamente à polícia qualquer suspeita de abuso sexual envolvendo padres.

Notícias relacionadas