Ex-presidente do Egito 'tem câncer no estômago', diz advogado

Hosni Mubarak (arquivo/AP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Mubarak está em um hospital de Sharm El-Sheikh desde abril

O advogado de defesa do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak disse nesta segunda-feira que o ex-líder, deposto depois de uma onda de protestos no país em fevereiro, foi diagnosticado com câncer no estômago e que “os tumores estão crescendo".

Mubarak está desde abril em um hospital no balneário egípcio de Sharm El-Sheikh, na costa do Mar Vermelho. Ele foi internado depois de, supostamente, ter tido problemas cardíacos após um interrogatório.

Segundo o correspondente da BBC no Cairo Jon Leyne, para alguns jornalistas o advogado de Mubarak, Farid El-Deeb, afirmou que ele está com câncer, mas para outros ele informou que o ex-presidente egípcio apresenta sintomas que poderiam ser de câncer.

Durante anos circularam boatos no Egito a respeito da saúde de Mubarak, mas as autoridades sempre negaram que o ex-presidente tivesse alguma doença grave.

Julgamento

Em maio, as autoridades disseram que Mubarak estava doente demais para ser levado do hospital para a prisão enquanto aguarda o julgamento, pois seu problema cardíaco faz com que ele possa sofrer um ataque repentino.

O início do julgamento de Mubarak e seus dois filhos, Gamal e Alaa, está marcado para 3 de agosto.

Os três vão ser julgados pelo assassinato de manifestantes durante os protestos que levaram à queda do regime no início do ano e acusações de corrupção.

Mubarak, de 83 anos, e seus filhos podem ser sentenciados à morte se condenados pela morte dos manifestantes.

Acredita-se que mais de 800 pessoas tenham sido mortas durantes os 18 dias de protestos no Egito que tiveram como centro a Praça Tahrir, no Cairo, e que levaram à renúncia de Mubarak no dia 11 de fevereiro.

Milhares de ativistas ficaram feridos.

Organização de direitos humanos e pró-democracia acusam as forças de segurança do Egito de terem sido violentas e de terem praticado tortura durante os protestos.

Notícias relacionadas