Pesquisa sugere que SMS de incentivo dobra chance de largar o cigarro

Homem fuma na Califórnia, nos EUA. Getty Direito de imagem Getty
Image caption Segundo a OMS, seis milhões morrem todo ano vítimas do tabagismo, sobretudo em países pobres

Uma pesquisa feita na Grã-Bretanha sugere que mensagens de celular incentivando os fumantes a largar o cigarro podem dobrar as chances dos usuários que querem deixar o vício.

No estudo da London School of Hygiene and Tropical Medicine, divulgado pela publicação científica The Lancet, 2.915 fumantes receberam cinco mensagens diárias por cinco semanas. Depois, foram mais três mensagens semanais até o fim da pesquisa, que durou seis meses.

Os resultados mostraram que 10,7% dos voluntários deixaram de fumar após receber mensagens como “hoje é o dia de deixar o vício para sempre”. O índice é mais que o dobro do de fumantes que também tentavam largar o cigarro (4,9%), mas não receberam os SMS.

No total, 5,8 mil fumantes da Grã-Bretanha participaram do estudo, incluindo os que não foram incentivados a largar o cigarro por meio dos torpedos.

Modelo mundial

A pesquisadora Carolina Free, que liderou a campanha txt2stop, alvo da pesquisa, diz que as mensagens “ajudam as pessoas a resistir a tentação de fumar”.

“As pessoas descreveram o txt2stop como um amigo que as encoraja ou um anjo nos seus ombros”, diz a pesquisadora.

Já os pesquisadores Derrick Bennett e Jonathan Emberson, da Universidade de Oxford, que também participaram do estudo, disseram que o experimento deve ser testado em outros países.

Segundo eles, as lições aprendidas no txt2stop podem “não apenas representar uma nova abordagem para combater o problema em países com renda elevada e média, mas também ser um útil ponto de partida para implementar mudanças comportamentais em locais mais pobres”.

O uso da mesma técnica em outras campanhas para mudanças de hábitos, não apenas em relação ao cigarro, também não foi descartado.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que cerca de seis milhões de pessoas morrem a cada ano vítima do tabagismo, sobretudo em países pobres e em desenvolvimento.

Notícias relacionadas