Americano mata pais a marteladas e dá festa com corpos em casa

Tyler Hadley em foto cedida pela polícia de Port St. Lucie. Direito de imagem AP
Image caption O adolescente matou os pais a marteladas e escondeu os corpos em casa

Um adolescente americano matou os pais com marteladas na cidade de Port St. Lucie, na Flórida, escondeu os corpos em casa e deu uma festa para dezenas de convidados, segundo a polícia local.

Tyler Hadley, de 17 anos, foi preso no início da manhã da última segunda-feira, após a descoberta dos corpos de seus pais, Blake e Mary-Jo, que estavam escondidos em um dos quartos da casa da família.

Segundo o porta-voz da polícia, Tom Nichols, Hadley será julgado como adulto e não terá direito a fiança.

Nichols disse ao canal de TV local WPTV que ainda não há explicações sobre os motivos do assassinato.

Os corpos de Mary-Jo Hadley, uma professora de escola primária de 47 anos, e de Blake Hadley, de 54 anos, funcionário da companhia de eletricidade da Flórida, estão sendo submetidos a autópsia.

A polícia diz acreditar que ambos morreram em consequência de "trauma causado por uso de força bruta".

Festa

De acordo com oficiais, o adolescente matou os pais na tarde do último sábado, horas depois de ter colocado no Facebook um convite para uma festa em sua casa.

Ele teria usado um martelo de 56 centímetros para golpear seus pais na cabeça e no tronco, na porta do quarto principal da casa.

Depois, segundo Nichols, tudo indica que Hadley levou os pais para dentro do quarto e usou "livros, papéis, toalhas, tudo o que conseguiu encontrar para cobrir os corpos".

Na mesma noite, o jovem recebeu cerca de 60 pessoas em casa para uma festa, cujo barulho gerou reclamações dos vizinhos.

Após um telefonema anônimo, a polícia foi à casa de Hadley na madrugada do último domingo, após o fim da festa, quando encontrou os corpos de Blake e Mary-Jo Hadley juntamente com a arma do crime.

O capitão da polícia local, Don Kryak, disse à TV local que o garoto parecia nervoso e que afirmou que seus pais estavam viajando.

"A cena do crime mostrava que foi um assasinato sem piedade. Foi brutal", disse Kryak.