Jornalista senior do tabloide 'The Sun' cai após escândalo das escutas

News of the World. PA Direito de imagem PA
Image caption Nixson trabalhou no extinto News of the World antes de se mudar para o The Sun, do mesmo grupo

Um jornalista senior do jornal The Sun foi demitido nesta quinta-feira, em meio ao escândalo dos grampos telefônicos do extinto News of the World. Ambos tabloides pertencem ao grupo de Rupert Murdoch.

Em um comunicado, a News Corporation confirmou que o editor Matt Nixson foi demitido por suas ligações com antigo News of the World, onde o jornalista havia trabalhado.

Nixson não é o primeiro a perder o emprego. A diretora-executiva do News International (braço britânico do grupo de Murdoch), Rebekah Brooks, também não resistiu ao escândalo e pediu demissão na última semana. Ela chegou a ser presa por envolvimento no caso.

O escândalo estourou há duas semanas, quando o jornal The Guardian revelou que um detetive contratado pelo News of the World havia grampeado o celular da adolescente Milly Dowler, desaparecida em 2002.

A manipulação das mensagens, em busca de furos jornalísticos, fez a polícia e a família da garota acreditarem que ela ainda estivesse viva, prejudicando as investigações.

Nos dias seguintes, a imprensa revelou que até quatro mil pessoas, entre celebridades, membros da realeza, familiares de militares mortos no Afeganistão e nos atentados de julho de 2005 em Londres teriam sido grampeados. O caso levou ao fechamento do News of the World, o jornal de 168 anos, com maior tiragem na Grã-Bretanha.

Parlamento

Além de provocar o fechamento do News of the World, o escândalo dos grampos também respingou no governo do primeiro-ministro David Cameron, que chegou a empregar o ex-editor-chefe do tablóide, Andy Coulson, como seu assessor de comunicação.

Cameron virou alvo da oposição no Parlamento e se disse arrependido por haver contratado Coulson.

Os parlamentares também convocaram Rebekah Brooks a dar explicações na Câmara dos Comuns. Ela admitiu que o jornal contratava detetives, mas negou ter tido contato com algum deles enquanto foi editora-chefe do News of the World, bem como disse ter tido conhecimento do caso Milly Dowler apenas quando o escândalo veio à tona.

Brooks depôs no parlamento logo após o magnata Rupert Murdoch e o seu filho, James Murdoch.

Murdoch pediu desculpas pelo escândalo, mas se eximiu de culpa.

Durante seu depoimento, ele foi atacado por um homem que empunhava um prato de papel com espuma de barbear, em formato de torta. O homem, identificado como Jonnie Marbles, foi detido.

Quem também não resistiu à crise foi o chefe da polícia metropolitana de Londres, Paul Stephenson. Ele renunciou ao cargo por ter contratado o ex-jornalista do tablóide, Neil Wallis, como consultor de relações públicas da força policial.

Notícias relacionadas