Ao lado de Fidel, Chávez recebe visita de Maradona em Cuba

Direito de imagem Reuters
Image caption Durante encontro, Chávez disse estar vencendo batalha contra o câncer

A televisão estatal da Venezuela transmitiu, neste sábado, imagens do encontro entre o presidente venezuelano Hugo Chávez e o líder cubano Fidel Castro, do qual também participou com o ex-jogador argentino Diego Maradona.

Maradona viajou a Cuba na sexta-feira para visitar o líder venezuelano, que teve de voltar à ilha há uma semana para dar continuidade a um tratamento de quimioterapia para combater um câncer.

“Essa é uma batalha que estamos vencendo. Aqui está o chefe do plano", disse Chávez a Maradona, ao referir-se à Fidel Castro. "Coloquei (o nome) de plano Fidel", acrescentou.

O líder venezuelano, principal aliado político do governo cubano na região, disse que há quem, na Venezuela, esteja a ponto de converter a Fidel em um "santo". "Santo Fidel, irão beatificá-lo", brincou.

Desde que adoeceu, Chávez reitera em seus relatos que foi Fidel quem lhe "salvou a vida", quando durante visita a Cuba, em 10 de junho, ele teve de ser submetido a uma cirurgia de emergência para retirada de um tumor cancerígerno.

Malvinas

Bem-humorado, vestido com uniforme esportivo, Chávez conversou sobre a agricultura argentina e voltou a criticar a posse da Inglaterra sobre as ilhas Malvinas (Falklands para os ingleses).

"Na Unasul deveríamos pressionar de alguma maneira para que (as Malvinas) sejam devolvidas", disse.

Esse é o segundo vídeo transmitido pelo canal estatal desde que Chávez retornou a Cuba. Na sexta-feira, houve um encontro similar entre Fidel, Chávez e o presidente equatoriano Rafael Correa.

Chávez completou nesta semana a primeira etapa de sessões com quimioterapia. Ele disse que está se preparando para uma segunda fase do tratamento apelidado por ele como a "bomba atômica".

"Esse ciclo terminou de maneira bem-sucedida. É como um bombardeio. Eu digo a Nicolás (Maduro, chanceler venezuelano) 'aí vem a bomba atômica, a bomba contra o mal'", disse Chávez, na sexta-feira, em conversa telefônica com o vice-presidente Elias Jaua que foi transmitida pela TV estatal venezuelana.

Notícias relacionadas