EUA adotam medidas para conter crime organizado internacional

Barack Obama/Getty Images Direito de imagem BBC World Service
Image caption Governo anuncia sanções contra grupos da Itália, do Japão, do México e de ex-repúblicas soviéticas.

Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira uma série de medidas para combater o aumento das ações do crime organizado internacional no país.

Entre os alvos das sanções, estão organizações como a japonesa Yakuza, a italiana Camorra, da região de Nápoles, os mexicanos do Zetas e um grupo criminoso que atua em ex-repúblicas soviéticas conhecido como Círculo dos Irmãos.

O presidente americano, Barack Obama, assinou uma ordem executiva para 56 ações prioritárias com o objetivo de afetar economicamente organizações consideradas criminosas.

Entre as medidas, estão o bloqueio de propriedades pertencentes a estes grupos e a proibição de cidadãos americanos de fazer negócios com eles.

"O crime organizado não é mais um problema regional, mas tornou-se uma ameaça para a estabilidade internacional", disse Obama, por meio de um comunicado.

"Organizações criminosas transnacionais importantes vêm se tornando cada vez mais sofisticadas e perigosas para os Estados Unidos e suas atividades (...) podem desestabilizar o sistema internacional."

Obama disse que os grupos criminosos estariam aumentando e diversificando suas operações, "resultando em uma convergência de ameaças transnacionais que evoluíram e se tornaram mais complexas, voláteis e desestabilizadoras".

"Em alguns casos, governos nacionais exploram esses relacionamentos para interesse próprio, em detrimento dos Estados Unidos", afirmou o comunicado do presidente.

O governo americano diz que pretende coibir principalmente os crimes pela internet, a pirataria e o tráfico de drogas, de armas e de pessoas.

Notícias relacionadas