Relatório diz que pilotos do AF 447 cometeram uma série de erros

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Equipes recolhem parte da fuselagem do avião do oceano

Um novo relatório sobre a queda do voo 447 da Air France, divulgado nesta sexta-feira pelo Escritório de Investigações e Análises (BEA, sigla em francês), concluiu que os pilotos da aeronave cometeram uma série de erros.

O documento diz que os pilotos não reagiram de maneira correta para evitar a queda de altitude do avião, quando os sensores da aeronave deixaram de funcionar.

No entanto, o chefe das investigações, Alain Bouillard, ressaltou em uma coletiva nesta quinta-feira que o órgão "não afirma que a falha humana tenha sido a causa do acidente".

"Preferimos ser prudentes e evitar conclusões apressadas", reiterou o diretor do BEA, Jean-Paul Troadec. O relatório final sobre as causas do acidente só será divulgado no primeiro semestre de 2012, segundo Troadec.

O AF 447, que partiu do Rio de Janeiro com destino a Paris, caiu no Oceano Atlântico no dia 31 de maio de 2009, matando todas as 228 pessoas a bordo.

A Air France continua afirmando que os pilotos foram induzidos a erro por um indicador de velocidade do avião, que apresentou falhas. O relatório do BEA também afirma que os pilotos não alertaram os passageiros sobre a crise, enquanto lutavam para recuperar o controle da aeronave.

Falta de treinamento

Segundo o relatório do BEA, a análise dos minutos finais do voo levou à conclusão de que a tripulação falhou em "identificar formalmente a perda de altitude" do avião, apesar do disparo de um alarme durante um minuto.

Os investigadores disseram que o comandante de bordo, que estava repousando quando o alarme disparou pela primeira vez, deixou a cabine sem "recomendações operacionais claras" para os dois copilotos e que "não havia repartição explícita de tarefas" entre eles.

Após o início da perda de altitude, o piloto no comando do avião teria respondido apontando o nariz da aeronave para cima, ao invés de para baixo, como manda o procedimento padrão.

O relatório disse ainda que os copilotos "não tinham recebido treinamento sobre pilotagem manual" nas circunstâncias da crise e que eles falharam ao não alertar os passageiros, enquanto tentavam recuperar o controle da nave.

O BEA também divulgou dez novas recomendações de segurança, incluindo treinamento obrigatório a todos os pilotos da França, para garantir que eles consigam çldar com uma situação de perda de velocidade em altitude elevada.

As recomendações também incluem a instalação, em todos os aviões que transportam passageiros, de "registradores de imagens", que mostrem claramente os marcadores dos painéis de comando das aeronaves e a criação do cargo de comandante de bordo suplente.

'Fatores improváveis'

Em um comunicado, a Air France rejeitou as conclusões da investigação, dizendo que "neste momento, não há razão para questionar as habilidades técnicas da tripulação".

A empresa argumentou que a análise mostra uma "combinação de múltiplos fatores improváveis", que teria levado ao acidente.

"Durante todo este tempo, a tripulação, incluindo os primeiros oficiais e o capitão, mostrou uma atitude profissional sem falhas, permanecendo comprometidos com sua tarefa até o final. A Air France homenageia a coragem e a determinação que eles demonstraram em condições tão extremas."

De acordo com o comunicado, o congelamento do sistema de tubos de Pitot (usados para medir a velocidade da aeronave) teriam dado início ao problema, ao fornecerem informações incorretas aos computadores de bordo, que levaram à desativação do piloto automático e à perda de alguns controles de pilotagem.

"Depois das manobras feitas pelos pilotos em condições desestabilizadoras, a aeronave começou a perder velocidade em grande altitude, não conseguiu se recuperar e atingiu a superfície do Oceano Atlântico em alta velocidade."

A Air France ressaltou ainda que o alarme indicador de perda de velocidade do avião, que parava e recomeçava continuamente, contribuiu para a dificuldade da equipe em analisar a situação.

A empresa de aviação francesa e a Airbus, fabricante do avião, estão sendo investigadas sob a suspeita de homicídio culposo por causa do acidente.