Republicanos e democratas se dizem otimistas sobre acordo da dívida americana

Líder democrata no Senado, Harry Reid, volta para gabinete depois de votação no domingo (AFP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Líder democrata no Senado, Harry Reid, volta para gabinete depois de votação no domingo

Democratas e republicanos se dizem otimistas sobre as chances de chegar a um acordo sobre o aumento do teto da dívida pública dos Estados Unidos antes da próxima terça-feira, na tentativa de evitar uma moratória.

Neste domingo, o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell disse que os dois partidos estavam "muito perto" de fecharem um acordo que elevaria o teto da dívida dos EUA – atualmente em US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,2 trilhões) – em US$ 3 trilhões, após conversas com o vice-presidente Joe Biden.

O senador democrata Richard Durbin também falou que havia "um sentimento mais positivo" sobre a questão.

Mas os democratas e a Casa Branca alertaram que ainda é preciso que os dois lados concordem a respeito de alguns detalhes.

As negociações parecem ter progredido um pouco neste domingo, quando o Senado rejeitou por uma diferença pequena de votos a proposta do líder da maioria democrata, Harry Reid, que também era apoiada por Barack Obama.

A proposta previa cortes cortes orçamentários de US$ 2,2 trilhões e o aumento o teto da dívida em US$ 2,7 trilhões, o que faria com que o assunto não precisasse ser discutido novamente até depois das eleições de 2012.

A derrota desta proposta abre o caminho para uma proposta bipartidária que provavelmente terá elementos do plano de Reid, segundo analistas.

"O acordo que está sendo trabalhado junto com o líder dos republicanos, o governo e outros ainda não foi fechado", disse Reid no Senado depois da votação. "Estamos esperançosos e confiantes de que pode ser fechado."

Caso seja aprovado, o acordo poderá ser submetido a uma votação na Câmara dos Representantes (deputados federais), de maioria republicana, antes da terça-feira, prazo final para a decisão.

Caso o impasse do teto da dívida não seja resolvido até 2 de agosto, os EUA não terão como cumprir com todas as suas obrigações financeiras, o que pode forçar uma moratória com prováveis impactos na economia mundial.

Em uma entrevista ao canal de TV NBC neste domingo, o conselheiro da Casa Branca David Plouffe disse que "é preciso resolver isso logo". "Hoje é, obviamente, um dia crítico", disse.

Disputa de propostas

Democratas e republicanos rejeitaram as propostas uns dos outros nas duas casas do Congresso americano.

O presidente Barack Obama apoiava a proposta do líder democrata do Senado, Harry Reid.

Direito de imagem AP
Image caption O líder da minoria republicana no Senado disse que partidos estão perto de fecharem acordo

Mas na tarde do último sábado, a Câmara rejeitou a proposta de elevação do teto da dívida americana por 246 votos a 173, mesmo antes de o Senado ter votado a proposta.

Na noite de sábado, Reid adiou a votação no Senado para domingo, na esperança de um avanço na negociações.

"Estão acontecendo negociações na Casa Branca para evitar uma moratória catastrófica das dívidas do país", disse o senador.

Na última sexa-feira, o Senado rejeitou um projeto que havia acabado de ser aprovado na Câmara dos Representantes.

O plano, proposto pelo presidente da Câmara, o republicano John Boehner, e aprovado por 218 votos a 210 na Casa, previa a elevação do teto da dívida dos EUA em US$ 900 bilhões, o que permitiria o pagamento de dívidas por mais alguns meses, além de cortes orçamentários estimados em US$ 917 bilhões e mudanças constitucionais para tentar equilibrar o orçamento.

Mas os democratas dizem que o projeto forçaria o Congresso a votar em uma nova extensão do teto da dívida daqui a alguns meses – em meio à corrida eleitoral presidencial de 2012.

'Comprometidos'

Em entrevista à rede de TV CNN neste domingo, o líder republicano Mitch McConnell disse que os negociadores estão perto de chegarem a um acordo.

"Estamos completamente comprometidos com a única pessoa nos Estados Unidos que pode fazer com que essa proposta vire lei", disse.

O presidente americano Barack Obama pediu que os líderes democratas e republicanos cheguem rapidamente a uma solução bipartidária para impedir que o governo fique sem dinheiro para pagar suas dívidas.

Segundo o correspondente da BBC em Washington Paul Adams o Tesouro americano já está elaborando um planos de emergência no caso de um acordo não ser fechado antes da terça-feira.

Leia também na BBC Brasil: Entenda o impasse em torno da dívida americana

Notícias relacionadas