Novo dia de protestos no Chile termina com mais de 500 detidos

Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Polícia militar reprimiu manifestações com gás lacrimogêneo e tanques no centro de Santiago

Em mais um dia de fortes protestos de estudantes, 527 pessoas foram detidas nesta quinta-feira em Santiago, capital do Chile, e em outras cidades do país, segundo informou o subsecretário do Interior, Rodrigo Ubilla.

Segundo ele, as manifestações foram registradas em 12 cidades chilenas. Até o fim da noite, 14 policiais estavam feridos e uma estudante hospitalizada após ter sido atropelada em meio aos distúrbios.

A polícia militar reprimiu as manifestações com gás lacrimogêneo e tanques no centro da capital chilena.

A jornada de protestos foi realizada três dias depois que o Ministério da Educação apresentou nova proposta para tentar atender às exigências dos estudantes, que completaram mais de dois meses de manifestações.

O dia foi marcado primeiramente por protestos dos estudantes secundaristas, seguidos pelos universitários e, no fim da noite, por dezenas de moradores que saíram às ruas batendo panelas contra a repressão policial, segundo informou a rádio Cooperativa.

De acordo com a mesma emissora, a polícia passou a reprimir também os "panelaços", registrados principalmente no centro de Santiago e em bairros de classe média alta, como Providencia.

'Dentro da lei'

O subsecretário do Interior e porta-voz do palácio presidencial La Moneda, Andrés Chadwick, disseram que a polícia "atuou dentro da lei" e "para manter a ordem", principalmente na capital.

A líder estudantil Camilla Vallejo disse à emissora de televisao TVN que a "repressão policial" mostrou que o "governo não entendeu a magnitude" do protesto dos estudantes, e que as manifestações fazem parte "da vida democrática".

Vallejo disse que o projeto do governo não inclui o ensino gratuito nas universidades, uma das principias demandas dos estudantes.

Recentemente, o presidente Sebastián Piñera anunciou, em rede nacional de televisão, um pacote de medidas para o setor.

No entanto, os protestos tiveram continuidade nesta quinta-feira, incluindo uma greve de fome realizada por pelo menos 40 alunos e a ocupação de prédios, como escolas em mau estado de conservação e uma emissora de televisão, a Chilevisión.

Nesta quinta-feira, uma pesquisa de opinião – a segunda publicada nesta semana – indicou que a popularidade de Piñera é de 26%, segundo o Centro de Estudos Públicos (CEP). Uma pesquisa anterior, divulgada na terça-feira, mostrava um alto índice de rejeição ao presidente.

Notícias relacionadas